Tadeu Vilani/RBS
Tadeu Vilani/RBS

Vaias interrompem evento com Cunha na Assembleia do RS

É a segunda vez em quatro dias que presidente da Câmara é alvo de militantes LGBT que o acusam de ser homofóbico e corrupto

Gabriela Lara, correspondente, O Estado de S. Paulo

30 de março de 2015 | 10h18

Porto Alegre - O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), foi recebido nesta manhã com vaias e xingamentos por um grupo de cerca de 30 militantes que defendem a causa LGBT na abertura de um fórum sobre reforma política na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul.

Enquanto alguns ativistas promoviam um "apitaço", outros entoavam gritos como "fora, Cunha", "não, não me representa, não" e "Cunha, seu machista, tu és corrupto e ainda moralista".

A manifestação começou com a chegada de Cunha ao Teatro Dante Barone, onde ocorre o evento, e não parou nem mesmo durante a execução do hino nacional. O presidente da Assembleia gaúcha, deputado estadual Edson Brum (PMDB), pediu para que os militantes cessassem com os protestos, mas não foi atendido. Ele decidiu, então, desfazer temporariamente a mesa e interromper os trabalhos até que eles possam ser retomados "com mais tranquilidade".

O vice-presidente da República, Michel Temer, e o governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, ambos do PMDB, também compõem a mesa. Na parte da tarde, é esperada a participação do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Miguel Rossetto.

Tudo o que sabemos sobre:
Eduardo CunhaprotestoLGBT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.