Vaga no Conselho de Segurança nunca esteve tão madura, diz Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou neste sábado que o Brasil nunca esteve tão perto como agora de conseguir uma vaga permanente no Conselho de Segurança da ONU, uma das principais ambições diplomáticas do país.

PEDRO FONSECA, REUTERS

03 Outubro 2009 | 10h18

Atualmente, o Conselho de Segurança tem cinco membros permanentes: Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Rússia e China, uma composição que em grande parte reflete o equilíbrio de poder global logo após a 2a Guerra Mundial.

O Brasil, e outros países como França e Grã-Bretanha, defendem a reforma do órgão da Organização das Nações Unidas de forma a representar melhor o novo cenário global, incluindo a América do Sul, a África e outros países que crescerem desde o fim da guerra.

"O Conselho de Segurança é uma questão de tempo", disse Lula a jornalistas, em Copenhague, ao ser questionado se a vitória do Rio de Janeiro na disputa pela sede dos Jogos Olímpicos de 2016 aumenta a força da campanha do Brasil pela vaga permanente.

"Não sei se vai ser no meu mandato, mas nunca esteve tão maduro, existe uma compreensão do mundo. O problema é que quem está lá não quer largar", acrescentou o presidente em entrevista coletiva na capital dinamarquesa, onde ajudou a campanha do Rio na votação de sexta-feira.

"Acho que está muito perto. Não apenas para o Brasil. O Brasil quer participar, mas o que nós reivindicamos é uma reforma."

Durante Assembleia Geral da ONU no mês passado, o presidente da França, Nicolas Sarkozy -- com quem o Brasil tem importantes acordos comerciais na área de Defesa --, defendeu a entrada de Brasil e de outros países, incluindo africanos, no Conselho de Segurança.

Mais conteúdo sobre:
POLITICA LULA CONSELHOSEGURANCA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.