Vacina contra rubéola tem baixa procura em SP

O secretário estadual da Saúde José Guedes criticou hoje a pouca importância dada à campanha de vacinação contra a rubéola, iniciada na semana passada e que termina na próxima sexta-feira. A estimativa da secretaria era vacinar, em dez dias, cerca de 4,8 milhões de mulheres, mas, até o último sábado, foram vacinadas apenas 1,2 milhões.O pico ocorreu no próprio sábado, com 300 mil vacinações, um dado indicativo de que as mulheres procuraram o posto de saúde no dia em que estavam de folga, avaliou Guedes. "Gostaria que os prefeitos se empenhassem mais. Eles poderiam mobilizar equipes para ir aos locais de trabalhos das mulheres e os empregadores, por sua vez, poderiam facilitar a saída de funcionárias para que procurassem um posto de vacinação", disse Guedes.Ele lembra que, apesar da campanha realizada na mídia, não há tradição de vacinação na faixa etária enfocada: dos 15 aos 29 anos. "A rubéola é uma doença banal em adultos, mas se for contraída por uma mulher grávida causa má-formação irreversível no feto", explicou.Exceto no feriado da Proclamação da República, na próxima quinta-feira, os postos de saúde de todo o Estado estarão funcionando das 8 horas às 17 horas, de segunda a sexta. Não há nenhuma restrição, como resfriados, gripes ou febres, que impeça a mulher de tomar a vacina. "A única contra-indicação é se ela já estiver grávida", alertou Guedes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.