Vaccari apresenta renúncia do conselho de Itaipu nesta sexta

Acusado pelo ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa de participar do esquema de pagamento de propinas na estatal, tesoureiro do PT deve entregar carta de renúncia ao cargo amanhã

Tânia Monteiro, O Estado de S. Paulo

30 de outubro de 2014 | 19h43

Brasília - Atingido pelas denúncias de corrupção no escândalo da Petrobrás, o tesoureiro do PT, João Vaccari Netto, apresenta nesta sexta-feira sua carta de renúncia do Conselho de Administração da hidrelétrica de Itaipu, na reunião que acontecerá amanhã, a partir das 9h, em Foz do Iguaçu, conforme antecipou o Estado. O mandato de Vaccari só expiraria em dia 16 de maio de 2016, mas o petista decidiu deixar o cargo pressionado, para evitar maiores problemas para o governo, em tempos de campanha eleitoral. A justificativa oficial apresentada para a sua saída é a intenção de se dedicar integralmente às atividades partidárias. 

Segundo a assessoria da hidrelétrica Itaipu, até o início da noite desta quinta-feira, o pedido de desligamento de Vaccari ainda não tinha sido apresentado ou a intenção informada. De acordo com a assessoria do petista, a ideia de Vaccari é comunicar ao colegiado, na reunião desta sexta, que deixará as funções no ano que vem. Ele está como conselheiro de Itaipu há 11 anos e 10 meses, desde janeiro de 2003, quando foi nomeado pela primeira vez para o cargo. Depois, foi reconduzido para mandatos sucessivos de quatro anos em maio de 2004, maio de 2008 e maio de 2012.

Vaccari foi citado na audiência de Paulo Roberto Costa à Justiça Federal no começo de outubro. Segundo o ex-diretor da Petrobrás, o petista seria o responsável por repassar para o partido a propina originada nos contratos da estatal. Vaccari rechaça as acusações do ex-diretor.

Além do petista Vaccari, integram o Conselho de Itaipu, pelo lado brasileiro, o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, o ex-governador do Rio Grande do Sul Alceu Collares (PDT), o professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Luiz Pinguelli Rosa, o ex-governador do Paraná Orlando Pessutti (PMDB) e o diretor de transmissão da Eletrobrás, José Antônio Muniz Lopes. Cada conselheiro de Itaipu ganha, por mês, R$ 20.804,13. O Conselho realiza seis reuniões ordinárias por ano, de acordo com calendário aprovado na última reunião do exercício anterior e, excepcionalmente, podem ser convocadas reuniões extraordinárias. 

Tudo o que sabemos sobre:
João Vaccari NetoItaipuLava Jato

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.