Vaccari afirma que nunca fez negócios com advogado

Procurado ontem pelo Estado, o tesoureiro nacional do PT, João Vaccari Neto, informou, por meio da assessoria do partido, que Cláudio Mente, da CSA, é seu amigo pessoal e que o visitou "eventualmente" na empresa. Ele disse nunca ter feito negócios com ele.

O Estado de S.Paulo

22 de agosto de 2014 | 02h01

Vaccari disse que não conhece o advogado Carlos Alberto Pereira da Costa e que, entre 2005 e 2006, época da operação com o Petros, não era tesoureiro do PT, mas sindicalista. Ele lamentou a acusação do depoente, segundo a qual, "possivelmente", tratava de fundos de pensão na CSA.

O tesoureiro também afirmou que está à disposição da Justiça para eventuais esclarecimentos.

Já a empresa Mendes Junior, citada no depoimento de Carlos Alberto Costa à PF, afirmou por meio de nota que todos os seus contratos "são feitos estritamente de acordo com as normas legais." O Grupo Sanko, ao qual pertence a empresa Sanko Sider, por sua vez, divulgou nota na qual afirma "estranhar" a insistência em tentarem associá-la a "atos e atividades com as quais não temos nenhuma relação".

"O Grupo Sanko, conforme já reiterou, não tem e nunca teve contas bancárias no Exterior. Todos os pagamentos do Grupo Sanko foram feitos, sem qualquer exceção, por intermédio do Banco Central do Brasil, e devidamente auditados pela Receita Federal. Eventuais dúvidas a respeito das operações do Grupo já foram pronta e devidamente esclarecidas, com toda a documentação necessária, às autoridades competentes. Continuamos estranhando a insistência em tentarem nos associar a atos e atividades com as quais não temos nenhuma relação", afirma a nota.

O Estado não conseguiu ontem contato com a Petros, Adarico Negromonte e Cláudio Mente. Também não foi localizado Humberto Grault.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.