Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Vaccarezza diz que minirreforma eleitoral 'morreu'

Votação de proposta do Senado não avançou na Câmara e deputado petista acredita que texto não seja aprovado em tempo de novas regras valerem para 2014

Daiene Cardoso - Agência Estado

26 de setembro de 2013 | 12h36

Brasília - O coordenador do Grupo de Trabalho da Reforma Política, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), acredita que já não há mais chances da Câmara dos Deputados votar a minirreforma eleitoral proposta pelo Senado em tempo de fazer as regras valerem para as eleições de 2014. A expectativa era que a proposta fosse votada nessa quarta-feira, 25, pelos deputados, mas com exceção do PMDB, as siglas da base aliada alegaram pouco conhecimento da proposta e não houve acordo para apreciar o assunto nesta semana. "Não dá para votar mais. A minirreforma morreu", concluiu Vaccarezza, nesta quinta, 26.

Entre outras medidas, a minirreforma permite a doação financeira de concessionárias de serviços públicos e a manifestação de opinião pessoal sobre questões político-partidárias em blogs e em redes sociais, e propõe limites para a contratação de cabos eleitorais.

Nessa quarta, o presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), esticou a sessão até as 23 horas na esperança de discutir o projeto. O PT seguiu à risca a determinação da Executiva do partido de obstruir a votação da matéria e foi acompanhado por outras siglas. Os petistas consideram a proposta superficial e defendem a convocação de um plebiscito para realização da Reforma Política.

O Grupo de Trabalho de Vaccarezza também não tem a simpatia do PT. Nesta semana, a Executiva da legenda deixou claro que não concorda com as propostas em discussão no Grupo e até o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva demonstrou discordância com as sugestões levantadas até agora. Vaccarezza disse que voltará a se reunir com Lula ainda nesta quinta em São Paulo.

Nesta manhã, Vaccarezza não conseguiu reunir os membros do grupo para dar continuidade aos trabalhos da Reforma Política. Segundo o petista, a criação de novas siglas e as negociações para mudança partidária tiraram o foco dos parlamentares, que já voltaram para suas bases eleitorais. Apenas dois deputados se comprometeram em participar da reunião, que acabou sendo cancelada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.