USP vive temor de embates entre estudantes da esquerda e os bolsonaristas

Pouco depois do 2º turno da eleição, reitoria acionou a polícia para impedir confrontos; professores temem que estigma atrapalhe ensino

Renata Cafardo, O Estado de S.Paulo

12 Novembro 2018 | 05h00

Em uma noite de véspera de feriado, centenas de alunos e professores se deslocavam pelo prédio em busca de uma sala grande o suficiente para acomodá-los. O evento promovido pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) traria professores da casa para discutir o cenário político atual. Depois de entrarem e saírem quatro vezes de salas e auditórios, as palestras foram transferidas para o vão livre do prédio de História, único espaço onde caberia tanta gente. 

“Muitos acham que podem nos amedrontar, mas ninguém vai abrir mão dessa profissão”, gritava no microfone o professor da USP e cientista político André Singer, que foi porta-voz do governo Lula. Os rostos desolados pelo resultado recente da eleição presidencial procuravam esperança. “O papel das (ciências) humanas é trabalhar o pensamento crítico e o clima não está favorável para isso”, comentava o professor da unidade Gustavo Venturi, na plateia. 

A Faculdade de Filosofia foi um dos marcos da resistência à Ditadura Militar. Desde então, tem sido associada a um reduto de esquerda. Assim que foi declarada a vitória de Jair Bolsonaro, integrantes de grupos de direita da USP passaram a se organizar para, no dia seguinte, “marchar em direção à FFLCH”. Os estudantes da unidade, por sua vez, rapidamente se juntaram para “combater os fascistas”. A reitoria foi avisada, colocou a Polícia Militar para acompanhar ambos os protestos e não houve confronto. 

“Eu nem vim à aula, de medo do que aconteceria. A FFLCH e outros cursos da área de humanas são o foco de resistência e por isso são alvos”, diz uma estudante de História. Nenhum dos alunos ouvidos pela reportagem quis que seu nome fosse publicado. “Foi um preâmbulo do que pode acontecer nesses quatro anos”, completa o colega.

 Na mesma semana pós eleições, os alunos da Faculdade de Economia e Administração (FEA) se surpreenderam com a foto postada em redes sociais de colegas portando armas, vestidos com roupas militares e fazendo insultos a petistas. “Isso mancha a imagem da universidade, faz com que a gente seja visto como fascista e reforça um estereótipo que somos de direita”, comenta um aluno de Administração de Empresas. 

“É preciso entender que não existe um bloco homogêneo para esquerda ou para a direita na universidade, isso é estigma. Dependendo da área, há uma tendência, mas que muda de acordo com o contexto histórico”, diz o professor de História Medieval da USP, Flavio Campos. 

Outro professor, físico, que não quis que seu nome fosse publicado, concorda. “É injusto achar que universidades são antros de comunistas, as pessoas têm pensamento crítico.” Para eles, essa ideia acaba aumentando os conflitos e desvalorizando o papel das instituições. “O espaço da universidade é o da pluralidade". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.