Uso de cartões de crédito pelo governo será mais "transparente"

Diante das críticas de que o governo federal, principalmente o Palácio do Planalto, estaria abusando dos cartões de crédito para o pagamento de despesas, sobretudo em viagens, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deverá assinar, nos próximos dias, decreto aprimorando as regras para uso dos chamados cartões corporativos. Com isso, o governo federal espera dar a transparência aos seus gastos, tão cobrada pela oposição.Os ordenadores de despesa dos respectivos órgãos, a Controladoria Geral da União e o Ministério do Planejamento, terão acesso on line às faturas e aos gastos do governo com o cartão corporativo. As despesas da Presidência da República com o cartão corporativo, no entanto, continuarão protegidas pelo sigilo legal."O cartão é mais seguro, evita fraude e permite o controle on line", disse o subcontrolador da União, Jorge Hage, ao assegurar que esta é uma excelente forma de pagamento, principalmente para despesas menores, que não precisam de se submeter à lei de licitações.Por isso mesmo, para gastos e compras do Executivo com valor inferior a R$ 8 mil, o governo federal vai incentivar o uso do cartão de crédito corporativo, em todos os ministérios. Atualmente existem cerca de 2300 cartões.Outra facilidade que o cartão de crédito corporativo pretende oferecer, conforme prevê o decreto, é o saque de dinheiro em espécie e o pagamento de diárias de servidores em viagem. A Presidência da República é o órgão que mais usa este tipo de pagamento, mas o governo pretende chegar a 27 mil cartões corporativos nos próximos anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.