Uruguai descarta acordo bilateral com EUA

As declarações do governo americano sobre um possívelacordo entre os Estados Unidos e o Uruguai foram encaradas pelo Itamaraty como pressões para que o Congresso americanoconceda ao presidente George W. Bush o mandato conhecido como Fast Trade Authority (FTA), para negociar acordoscomerciais, segundo fontes diplomáticas.Segundo esses mesmos interlocutores do governo brasileiro, o governo americano queraproveitar qualquer opotunidade para mostrar ao Congresso que a falta do FTA faz o país perder opotunidades de negócios.Oficialmente, porém, o Itamaraty informou que consultou o governo do Uruguai sobre as declarações feitas pelosecretário-adjunto do Departamento de Estado para o hemisfério, Peter Romero.De acordo com o Ministério das RelaçõesExteriores, o governo do Uruguai afirmou que Romero referia-se à formação de um fórum de consulta entre os dois países, nosmoldes do mecanismo de consulta que Brasil e Argentina já possuem com os Estados Unidos.A informação foi confirmada pela Embaixada do Uruguai. Segundo o encarregado de assuntos econômicos daEmbaixada, Gustavo Vanério, no encontro de Cúpula das Américas, em Quebec, no mês passado, os presidentes Bush e JorgeBattle acertaram a formação do fórum para consultas nas áreas econômica, comercial e de ciência e tecnologia.Mas omecanismo de consulta, coforme afirmou, não tem força para converter-se em uma negociação comercial. ?Nem podemos fazeruma negociação comercial bilateralmente com os Estados Unidos porque temos um compromisso com o Mercosul?, disseVanério.De acordo com o Itamaraty, a data limite para que os países membros do Mercosul negociem com outros países bilateralmenteé 30 de junho, e um acordo entre Uruguai e Estados Unidos não poderia ser feito com tamanha velocidade.Após essa data, oMercosul só poderá fazer acordos em bloco. Na última reunião do Grupo Mercado Comum (GMC) do Mercosul, em abril, oParaguai sugeriu que essa data fosse adiada, mas Argentina e Uruguai opuseram-se à sugestão do vizinho, informou o Itamaraty.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.