Universidade sofreu um atentado, diz reitor da UnB

O reitor da Universidade de Brasília (UnB), Timothy Mulholland, classificou o incêndio nos quartos de estudantes africanos da universidade como "atentado". Ao receber na quarta-feira, 28, cerca de 300 estudantes que protestavam contra o ocorrido, o reitor afirmou que vai enfrentar o caso. ?A universidade sofreu um atentado. Temos de enfrentar essa questão e os nossos esforços serão no sentido de buscar a convivência pacífica entre todos os alunos.?O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, classificou o ataque como "muito triste". "Isso é muito triste. O Brasil é um país que tem uma política de abertura para o mundo", afirmou. O incêndio ocorreu por volta das 4 horas nas portas de três apartamentos do Bloco B da Casa do Estudante Universitário. Os alojamentos incendiados tinham cruzes vermelhas e o símbolo da organização racista norte-americana Ku Klux Klan (KKK) pintados nas portas.A Polícia Federal abriu inquérito para apurar o incêndio criminoso, com motivação racista. O episódio ocorreu um dia depois de a ministra chefe da Secretaria Especial de Política de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), Matilde Ribeiro, ter declarado que não é racismo quando um negro se insurge contra um branco, pois "quem foi açoitado a vida inteira não tem obrigação de gostar de quem o açoitou".A PF vai investigar se tem algo a ver com o caso o fato de os extintores de incêndio estarem esvaziados nos primeiro e segundo andares. se foi proposital ou não o esvaziamento dos extintores. Segundo a assessoria da universidade, a Casa do Estudante Universitário da UnB já está com um número três vezes maior de seguranças. Além dos dois vigilantes no pavimento térreo - que já trabalhavam no local -, os dois prédios terão um homem em cada andar, 24 horas em alerta. ?Se a comunidade achar necessário a colocação de câmeras, também providenciaremos?, destacou o reitor. Outra providência já tomada pela instituição refere-se às vítimas. Os estudantes que passaram pelo ato de violência já vão dormir em outro local.(com informações da UnB Agência e Leonardo Goy, da Agência Estado)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.