Universidade de Brasília dispensa 216 terceirizados

A Universidade de Brasília (UnB) demitiu nesta sexta-feira 216 servidores terceirizados, que prestavam serviços de manutenção na universidade. Ao receber a notícia, o servidor João Marinho sofreu um infarte e foi internado no Hospital Universitário. O estado de saúde dele é crítico.O Sindicato dos Trabalhadores Técnico-Administrativos da Fundação Universidade de Brasília (Sintfub) disse que a demissão foi uma forma de reprimir a greve dos servidores, parados desde 25 de julho. A reitoria da UnB rebateu, informando que os funcionários demitidos serão contratos pela empresa Conserve, vencedora de uma licitação no primeiro semestre.A diretora do Sintfub Socorro Oliveira confirmou que a UnB vinha anunciando uma redução de 30% no quadro de servidores, mas que a reitoria fez os cortes durante a greve, como uma forma de intimidação. "Esses trabalhadores já levam desvantagem por não possuírem os mesmos direitos trabalhistas dos demais. Quando são demitidos, não levam quaisquer tipos de indenização". disse.O vice-reitor da UnB, Timothy Mulholland, declarou que a universidade vinha planejando e anunciando as mudanças antes de a greve ser deflagrada. Além do mais, ele garantiu que nenhum trabalhador ficará desempregado.A UnB possui 1.400 funcionários terceirizados, que foram contratos pela Fundação Universidade de Brasília (Fubra). "No primeiro semestre, nós fizemos uma licitação da qual participaram 19 empresas, e a Conserve foi a vencedora."Mulholland disse que a grande maioria dos trabalhadores será contratada pela nova empresa. "Apenas 98 terceirizados não serão incorporados, pois eles ultrapassam o teto orçamentário da Conserve." O vice-reitor afirmou também que todos os direitos trabalhistas dos demitidos, incluindo FGTS, parte do 13º salário e férias proporcionais, serão pagos. "Eles vão receber tudo a que têm direito. A única diferença é que vão trocar de patrão", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.