Único foragido inspirou nome da operação

O único suspeito foragido inspirou a Polícia Federal a dar o nome da Operação Santa Tereza. Segundo a PF, o ex-traficante, sócio majoritário do flat onde eram mantidas prostitutas aliciadas em cinco Estados e dono da principal construtora envolvida no golpe sobre o banco estatal, ele mantinha uma casa de luxo em um dos condomínios mais luxuosos da Baixada Santista, o Santa Terezinha, localizado em um morro com o mesmo nome.Nas investigações da PF ele aparece como o membro mais ativo da quadrilha e chegou a aplicar golpe nos próprios colegas, embolsando boa parte do dinheiro desviado.Foi ele também o estopim das investigações, conduzidas pela Delegacia de Repressão a Entorpecentes. Os policiais acreditavam que, além de traficar mulheres, o grupo também lidava com drogas. Acabaram se deparando com esquema muito mais lucrativo, de forjar assessoria a prefeituras e empresas para obtenção de financiamento no BNDES.Ele deve ser indiciado por desvio de verbas públicas, fraude a licitação, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, manutenção de casa de prostituição, tráfico interestadual e internacional de mulheres e corrupção ativa - pagou a agentes públicos para manter o prostíbulo aberto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.