Unicamp testa gel que aumenta a defesa biológica da mulher

Um gel que potencializa o sistema de defesa biológica da vagina pode ser o que há de mais próximo no combate à infecção por HIV e vírus de outras doenças sexualmente transmissíveis na mulher, além do método tradicional da camisinha. Por enquanto, o Acidform comprovou-se um eficaz espermicida, a partir de testes em pacientes do Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher (Caism) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Os exames feitos na Unicamp vão servir de base para o aprofundamento dos estudos sobre o espermicida e microbicida, a partir do próximo ano. A supervisora do projeto e professora do Departamento de Tocoginecologia da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp, Eliana Amaral, explicou que no Caism foi feita a primeira fase de testes. Um grupo de 38 mulheres saudáveis, com idades entre 18 e 45 anos, foi dividido em subgrupos para a aplicação do produto. A equipe do Caism acompanhou os subgrupos durante quatro ciclos pós-relação, com exames detalhados no órgão sexual. As alterações vaginais foram todas registradas, até nas mulheres que não haviam aplicado o Acidform. Eliana comenta que o resultado dessa pesquisa será o primeiro da literatura médica mundial sobre as reações vaginais após a relação sexual. Na primeira fase dos testes, as mulheres que utilizaram o Acidform não apresentaram nenhuma reação negativa, o que caracterizou excelente tolerância das pacientes. No início de 2003, outra equipe de pesquisadores vai verificar o resultado do uso de Acidform como medicamento, no combate à vaginose bacteriana, uma doença provocada pelo desequilíbrio do pH da vagina, que propicia a proliferação das bactérias. A pesquisadora informa que a expectativa é de que o produto comece a ser vendido em 2007. A segunda e terceira fases de testes deverão incluir países da África, em que a contaminação por HIV é muito alta, e avaliará a eficiência do medicamento na prevenção da aids. A fórmula do gel foi desenvolvida pelo programa Topcad, da Rush University, de Chicago.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.