Unicamp realiza estudo inédito da Carta de Caminha

A carta de Pero Vaz de Caminha, dirigida ao rei Manuel em maio de 1500 foi, pela primeira vez, objeto de uma análise ortográfica. As conclusões, segundo matéria publicada no Jornal da Unicamp, estão reunidas na tese de mestrado da pesquisadora Nazarete de Souza, orientada pelo professor Luiz Carlos Cagliari, do Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp (IEL). A pesquisa apresenta uma análise importante para a construção da história da ortografia da língua portuguesa, jamais tratada em estudos da carta.O texto foi iniciado na época da comemoração dos 500 anos do descobrimento do Brasil e é definido pela pesquisadora como "uma pequena contribuição para um projeto maior sobre a História da Língua Portuguesa". A narrativa de Caminha a D. Manuel sobre suas primeiras impressões sobre o Brasil, até então Ilha de Vera Cruz, já havia sido analisada pelos aspectos filológicos, semânticos e fonológicos, mas ortograficamente, este foi um desafio inédito, ressalta o periódico da Unicamp. Nazarete e Cagliari analisaram cuidadosa e minuciosamente todos os termos curiosos da carta, comparando-os à tradição ortográfica vigente", diz o jornal. O texto descritivo de Caminha apresenta construções curiosas que, à primeira vista, causam estranheza se colocadas à luz das versões revisadas de acordo com as atuais normas gramaticais. Chamam a atenção no texto de Caminha, por exemplo, a duplicação de consoantes, a separação de termos como "tam bem", "por tamto", bem como a união de vocábulos como "queo", em vez de que o e "ocapitam", no lugar de o capitão. De acordo com a pesquisadora, "se hoje revisores e editores podem discutir o uso de maiúsculas e minúsculas graças à padronização de estilo e à normatização da gramática, Pero Vaz de Caminha não tinha a preocupação de iniciar parágrafos com letras maiúsculas e de escrever toda a palavra na mesma linha."Ainda segundo a dissertação de Nazarete, algumas palavras da ortografia de Caminha são facilmente reconhecíveis, mas, na maioria das ocorrências, seria necessária uma preparação antes de tomar conhecimento do original. "Redigido em linguagem acessível, o estudo feito por Nazarete pode ser usado como orientação a estudiosos e a estudantes a fim de facilitar o entendimento da Carta de Pero Vaz, afinal, é a primeira vez que um pesquisador se empenha em analisar a ortografia da carta", ressalta a matéria do Jornal da Unicamp. A pesquisadora, no decorrer do seu trabalho, tomou o cuidado de montar um pequeno dicionário (veja-o abaixo),que facilita a leitura da Carta de Pero Vaz de Caminha:anoua a novajsto istoomonte o montehimdo indoeos e osnjnguem ninguémdemarço de marçopoer pôrdagram da grandepapagayo papagaioahuuas a umasnauios naviosataa até abiij VIIIasvy as vixiiij XIVmeteram-se meteram-sechuuaçeiros chuvaceirosahuumas a umastrouueranlhes trouxeram-lhesamrique Henriqueauamjelho - evangelhofre/mossa formosabertolomeu - Bartolomeuloçaynha louçainhaaçerqua acercaapreposito a propósitocomcrudiram concluíramdetremjnado determinadoAleuantarãsse levantaram-sesimgraduras singradurasandauã andavaBõõs bonsJnorançia ignorância

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.