André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Unica rebate declaração de Dilma sobre etanol de milho

A presidente da União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica), Elizabeth Farina, rebateu nesta quarta-feira, 6, declaração da presidente Dilma Rousseff, que em entrevista hoje após sabatina na Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) disse que o etanol de cana do País compete com o combustível feito a partir do milho nos Estados Unidos. "Mais de 90% do hidratado produzido no Brasil é destinado ao mercado interno. É a desoneração da gasolina, e não o etanol de milho, que afeta a competitividade do hidratado", afirmou. Para a executiva, Dilma se mostrou "desinformada" sobre a questão.

JOSÉ ROBERTO GOMES, Estadão Conteúdo

06 de agosto de 2014 | 18h01

Ainda na coletiva de imprensa, Dilma disse que "aumentar a Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) para qualquer setor impacta no que se chama arrecadação de tributos". Farina voltou a defender a volta do imposto sobre o combustível fóssil. "Por que achamos que a Cide é importante? Porque há uma externalidade negativa no mercado de gasolina. Temos de tributar aquilo que gera um custo estendido", como emissões de gases que causam o efeito estufa, explicou.

A Cide, que incidia até 2012 sobre a importação e a comercialização de petróleo e derivados, gás natural e álcool etílico combustível, foi zerada pelo governo federal como forma de compensar o reajuste nos preços da gasolina e do diesel e evitar que a alta fosse sentida pelo consumidor. A Cide zerada, contudo, é uma das principais críticas do setor sucroalcooleiro, que alega que isso tira a competitividade do etanol.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesCNAsabatinaDilmaUnica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.