União libera R$ 86 mi para organização do evento

O governo federal repassou ao Pará R$ 86 milhões para investimento no Fórum Social Mundial (FSM). Do total, R$ 50 milhões foram destinados à polícia para compra de viaturas, armamento, munição e câmeras para serem instaladas por toda a capital. O restante veio de cinco ministérios e duas estatais das áreas de saúde, trabalho, educação e turismo.A governadora do Pará, Ana Júlia Carepa (PT), liberou R$ 338 milhões para obras nos bairros do Guamá e Terra Firme, conhecidos pelos altos índices de pobreza e violência. Na área vizinha à Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), que hoje concentra 60% das atividades do fórum, serão investidos R$ 112 milhões na construção de 2,3 mil casas populares.O chefe da Casa Civil do governo paraense, Cláudio Puty, diz que a realização do fórum no Estado deve-se a um esforço pessoal da governadora. Ele disse que os recursos federais demoraram a chegar, mas negou que tenha havido prejuízo ao evento. Segundo ele, o governo estadual aplicou recursos próprios, embora modestos, no planejamento e logística do fórum, de responsabilidade da prefeitura de Belém.O prefeito Duciomar Costa (PTB) tem sido muito criticado. Os hospitais e postos de saúde não receberam nenhuma preparação para suportar o aumento de demanda. Cerca de 120 mil pessoas estão na cidade para o evento. "Tivemos que praticamente fazer uma intervenção na saúde em Belém para ajudar a prefeitura a dar conta do recado", afirmou Puty. Costa justificou que a rede municipal de saúde está estrangulada pela demanda de pacientes vindos do interior do Pará. Ele reconhece que a situação é "dramática".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.