União Européia levanta embargo à carne de SP e PR

Restrição comercial havia sido imposta em 2005 por causa de surtos de febre aftosa.

Márcia Bizzotto, BBC

30 de junho de 2008 | 14h57

A Comissão Européia (CE), órgão executivo da União Européia, levantou nesta segunda-feira o embargo às exportações de carne brasileira produzida nos Estados de São Paulo e Paraná, que vigorava desde 2005.

Em um comunicado, a CE justificou a decisão dizendo que as autoridades competentes "realizaram esforços consideráveis para melhorar a situação da saúde animal", principalmente em relação à febre aftosa.

Foi devido a surtos dessa doença que os exportadores paulistas e paranaenses foram proibidos de vender carne para UE.

"Esses esforços foram reconhecidos internacionalmente pela Organização Mundial para a Saúde Animal (OIE, na sigla em inglês) e confirmados por recentes inspeções da Comissão (Européia)", afirma o Executivo europeu em um comunicado.

Mato Grosso do Sul, submetido a embargo também desde 2005 também por surtos de febre aftosa, continua proibido de exportar para os países europeus.

Restrições

De acordo com a decisão de Bruxelas, as fazendas e abatedouros de São Paulo e Paraná estão autorizados a exportar apenas carne desossada e maturada, um processo que impede a manifestação de febre aftosa, condição já imposta aos demais Estados brasileiros exportadores.

Também terão que se submeter aos mesmos controles de qualidade "especiais" exigidos aos outros Estados autorizados, o que inclui a inspeção e habilitação das fazendas por técnicos do Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA).

Esses critérios foram endurecidos em março passado, quando a UE readmitiu as exportações provenientes de um limitado número de fazendas, um mês depois de haver suspendido todas as importações de carne do Brasil alegando deficiências nos controles fitossanitários.

Segundo a Missão do Brasil para a UE, é "impossível" calcular agora o impacto que a decisão européia poderá ter sobre as exportações brasileiras de carne.

"Não temos como saber os números agora porque, além de o Estado ser habilitado, a carne terá que ser procedente das fazendas habilitadas. Será uma situação diferente da que havia antes de 2005, quando esses Estados podiam exportar", explicou à BBC Brasil Otávio Briones, responsável por Agricultura na Missão do Brasil.

O diplomata afirma que o governo ainda não tem um calendário estabelecido para a elaboração e a data de entrega da lista de fazendas ao Executivo europeu "dependerá das condições técnicas do MAPA".

A CE também autorizou nesta segunda-feira as exportações de carne desossada e maturada produzida no Paraguai e de carne in natura de uma região da Argentina que compreende partes das províncias Neuquén e Rio Negro.

As demais regiões argentinas continuam autorizadas a exportar apenas carne desossada e maturada, como os produtores brasileiros.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
carneunião européiauebruxelas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.