UNE cria grupo para apurar mortes de líderes estudantis

A União Nacional dos Estudantes (UNE) instala oficialmente, nesta sexta-feira, no Recife, a sua própria comissão da verdade. Segundo o presidente da entidade, Daniel Iliescu, ela vai investigar inicialmente casos de dirigentes estudantis mortos e desaparecidos no período da ditadura militar, entre 1964 e 1985. "Levantamentos preliminares indicam que são 46 dirigentes, incluindo universitários e estudantes secundaristas", disse ele ao jornal O Estado de S. Paulo.

ROLDÃO ARRUDA, Agência Estado

18 de janeiro de 2013 | 09h09

A cerimônia de instalação da comissão deve ocorrer durante a abertura da reunião do Conselho Nacional de Entidades de Base, na Universidade Federal de Pernambuco. O atual coordenador da Comissão Nacional da Verdade, o procurador da República Cláudio Fonteles, deverá participar da cerimônia como convidado de honra.

Paulo Vannuchi, ex-ministro de Direitos Humanos do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, também participará da cerimônia no Recife. Ele foi convidado para orientar o trabalho de pesquisadores e estudantes que integrarão a comissão.

Na cerimônia de hoje, a UNE vai prestar uma homenagem especial a Honestino Guimarães, estudante de geologia que presidiu a entidade após a repressão ao seu 30.º Congresso, em Ibiúna (SP), em 1968. Perseguido pelas autoridades militares, ele se viu obrigado a viver na clandestinidade. Preso por agentes da Marinha, no Rio, em 1973, nunca mais foi localizado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Tudo o que sabemos sobre:
Comissão da VerdadeUNE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.