UNE comemora 70 anos com ocupação de antiga sede

A União Nacional dos Estudantes (UNE) iniciou nesta quinta-feira a comemoração de seus 70 anos voltando para casa. Depois de um ato nos Arcos da Lapa, no centro da cidade, que reuniu nove ex-presidentes da entidade, entre eles, o ministro do Esporte, Orlando Silva Júnior, cerca de 2 mil pessoas saíram em passeata até a Praia do Flamengo, na zona Sul, onde derrubaram um portão de ferro para ocupar o terreno da antiga sede da organização, incendiada pela ditadura em 1º de abril de 1964, e demolida na década de 1980. Durante a manifestação na Lapa, antigos dirigentes destacaram, de forma consensual, os avanços ocorridos no País, mas afirmaram que o Brasil almejado ainda está muito distante. Fundador da UNE, Irum Santana, de 90 anos, observou que a riqueza da Nação contrasta com os milhões de brasileiros que estão abaixo da linha da pobreza. "Estamos um pouco mais igualitários. Mas é preciso muito mais. Precisamos de crescimento e, para isso, é necessário reduzir a pobreza". Presidente da UNE em 1950 e 1951, o ex-deputado José Frejat enumerou áreas que ainda não alcançaram o patamar desejado. "Educação, saneamento, meio ambiente, renda. Melhoramos, sem dúvida, mas ainda estamos muito distantes do Brasil dos nossos sonhos". Assim como ele, o ministro vê avanços, mas também necessidade de mudanças, entre elas, na área educacional. "O ProUni (programa federal que concede bolsas de estudo a integrantes de baixa renda) é muito bom, mas é preciso aumentar o acesso à universidade", afirmou Silva Júnior, que presidiu a UNE no período 1995-1997. Depois de ressaltar a importância das cotas para negros e para estudantes de escola, comentou sobre a caminhada que seria realizada até a sede da UNE. "O presidente Lula já falou para mim duas vezes que o Brasil tem uma dívida com a UNE. Agora isso vai ser resolvido", relatou, referindo-se à retomada do terreno. De propriedade da União, o terreno foi doado à entidade em 1996. Desde então, lá funciona, de forma irregular, um estacionamento. Ao ocuparam a propriedade, os estudantes cantaram o hino nacional e picharam o muro com palavras de ordem. Atual presidente da UNE, Gustavo Petta, declarou que cerca de 300 universitários vão permanecer acampados na propriedade, até a construção da nova sede, que já tem um projeto feito por Oscar Niemeyer. "Vamos ficar aqui quanto tempo for preciso". Advogado do dono do estacionamento, Marco Antônio Carvalhal informou que vai prestar queixa na delegacia caso haja prejuízos aos carros que estão no local. E disse que a situação do terreno ainda não foi resolvida pela Justiça, apesar de a UNE ter exibido uma cópia do registro geral do imóvel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.