‘Uma solução é identificar alguém respeitado’

Para presidente emérito do Inter-American Dialogue, caminho seriam eleições diretas, 'porque Congresso está desmoralizado'

Entrevista com

Peter Hakim

Cláudia Trevisan, O Estado de S.Paulo

22 de maio de 2017 | 05h00

CORRESPONDENTE / WASHINGTON - As “novas revelações” sobre o presidente Michel Temer acabaram com a pouca credibilidade internacional que ele tinha e comprometeram a capacidade do Brasil de exercer influência na região e fortalecer os laços com os Estados Unidos, avalia Peter Hakim, presidente emérito do Inter-American Dialogue. Questionado sobre a permanência de Temer no poder, ele disse ao Estado: “Não vejo como”.

O senhor vê alguma chance de sobrevivência de Temer?

Não vejo como. Mesmo se Temer não tivesse dito uma palavra enquanto ouvia o que Joesley (Batista, dono da JBS) dizia, não é responsabilidade do presidente reportar atividades criminosas? Não dizer nada sugere cumplicidade.

Qual seria a melhor solução?

O melhor seriam eleições diretas, porque o Congresso está desmoralizado. A outra solução seria identificar alguém que seja respeitado. Os únicos candidatos para isso seriam atuais ou ex-integrantes do Supremo. Outra possibilidade seria uma figura econômica, como (Henrique) Meirelles, mas ele é identificado como autor de reformas impopulares.

O que será das reformas?

O Brasil tem uma séria crise de governabilidade. Um presidente impopular e acusado de corrupção e obstrução à Justiça, ninguém claramente pronto para seu lugar. Isso torna muito difícil a aprovação de reformas.

Como Washington reage?

Sempre achei que a administração Barack Obama mantinha distância do governo Temer, em parte pelas dúvidas em relação ao impeachment. Agora, pessoas que estão no governo me dizem que houve esforço excessivo da gestão anterior na tentativa de reconstruir a relação com Temer. Com as novas revelações, qualquer disposição de trabalhar com o governo brasileiro desaparecerá. 

Se Temer ficar, como será a relação com outros países?

Como será possível para Temer exercer influência regional quando dois terços dos governos na América do Sul foram corrompidos por uma companhia brasileira, a Odebrecht? Não posso imaginar Trump convidando Temer para a Casa Branca. Ele já tem problemas suficientes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.