Imagem João Bosco Rabello
Colunista
João Bosco Rabello
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Uma semana decisiva

A semana que começa amanhã é decisiva para a candidatura do PSDB, que nas últimas pesquisas registrou movimento mais expressivo na campanha, até aqui liderada pelas candidatas Dilma Rousseff e Marina Silva.

João Bosco Rabello, O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2014 | 02h01

O senador Aécio Neves cresceu nas duas pesquisas, Ibope e Datafolha, retornando ao patamar de 20%, dentro da margem de erro, e apresentando a menor rejeição, enquanto suas adversárias caíram, mais ou menos, com Dilma mantendo o índice de rejeição mais alto, de 35% e Marina dobrando o seu, de 11% para 22%.

As duas pesquisas permitem a leitura de uma tendência de crescimento da candidatura do PSDB, o que anima os tucanos a manter a linha crítica às duas candidatas, dosando e diferenciando tom e conteúdo.

O PSDB tem se beneficiado do embate entre Dilma e Marina, que lideram a disputa, porque poupa Aécio Neves de ataques mais duros à ex-senadora, de quem pretende recuperar os votos perdidos após a morte de Eduardo Campos.

Parte desse contingente, acredita o PSDB, é de eleitores de Aécio que migraram para a candidata socialista por entender que ela tem mais chance de tirar o PT do poder.

A avaliação interna indica que o caminho mais simples para alcançar o objetivo de diferenciar Marina de Aécio - já que o PSB defende um programa econômico semelhante ao dos tucanos -, é mostrar que, se eleita, ela não se distanciará ideologicamente do partido que a abrigou durante toda a sua carreira política.

Alcançado o patamar entre 23% e 25% por Aécio, avaliam os tucanos que na semana seguinte esse fluxo aumenta criando uma reação do candidato na reta final da campanha.

Em tal contexto, a estrutura partidária do PSDB passa a fazer diferença na disputa em relação a Marina, cujo PSB é bem mais frágil e menos influente nos cenários regionais.

A rigor, é uma aposta na redução do aspecto emocional que alavancou a candidatura de Marina após a morte de Campos. Os debates e a luta renhida com Dilma humanizaram a candidata, desmistificando a personagem.

Por isso, a crítica a Marina insistirá na sua origem petista, na imprevisibilidade de seu governo, e na contradição de incluir o PSDB na "velha política", mas contando com seus quadros para dar qualidade a eventual gestão socialista.

Já em relação a Dilma, tom e conteúdo continuarão em alta.

Além dos péssimos resultados, o governo do PT exibe cada vez menos transparência, com dados inconfiáveis, inconstância e manipulação, o que já faz a oposição temer pelo êxito da futura fase de transição entre o governo eleito e o que deixa o Planalto, em caso de derrota de Dilma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.