Imagem Dora Kramer
Colunista
Dora Kramer
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Uma raridade

No ambiente dogmático que tomou conta de Brasília com a instalação do PT no poder, Márcio Thomaz Bastos era exceção no deserto de pensamentos independentes e raciocínios críticos entre ministros que se subordinavam a repetir as ordens do dia que vinham de cima.

Dora Kramer, O Estado de S.Paulo

21 de novembro de 2014 | 02h02

José Dirceu podia ser até o mais poderoso, o capitão do time na expressão do dono da bola, mas Thomaz Bastos era o mais influente por ser também o mais capacitado e politicamente nada sectário. Ele influiu na indicação de pelo menos seis ministros ao Supremo Tribunal Federal.

Foi graças à amplitude de suas relações que o PT conseguiu abrir diálogo com a oposição no auge do escândalo do mensalão, possibilitando ao governo por em prática o plano da volta por cima num momento em que o cenário indicava a possibilidade de renúncia do então presidente Lula à candidatura à reeleição.

Thomaz Bastos conseguiu avanços como ministro da Justiça, mas sua passagem pelo governo ficou marcada por sua atuação na defesa do presidente em momentos difíceis. Inclusive o impedindo de insistir em erros primários, como no caso da reação a uma reportagem sem maior importância do correspondente do New York Times no Brasil sobre o gosto de Lula por bebidas alcoólicas.

O presidente queria impedir a renovação do visto do jornalista, teve o apoio de assessores, menos o de Márcio Thomaz Bastos que o demoveu da ideia e evitou o prosseguimento do vexame. Nem sempre, como no caso, foi bem sucedido. Havia a personalidade de Lula e aquela toda gente tóxica ao entorno. No mensalão, Márcio ganhou num primeiro momento ao conseguir arrefecer a crise política com o argumento do crime eleitoral.

Na Justiça, porém, a tese adotada pela defesa de todos os réus não foi aceita pelos ministros do STF. Seria depois e agora o condutor dos defensores dos implicados na operação Lava Jato. Tentou até o último instante e morreu como viveu: ativo, no exercício irrestrito da defesa.

Personalidade investida de peculiar bom humor, gosto por bons prazeres, hábitos saudáveis e divertida ironia com as formalidades do poder. Uma raridade que deixa imensa e, por paradoxal que pareça, uma agradabilíssima e, sobretudo, tranquila sensação de saudade. Um privilégio conhecer e por algumas vezes receber conselhos de Márcio Thomaz Bastos. Que maravilha esse modo de viver.

Posto avançado. Quanto mais avançam as investigações do escândalo da Petrobrás, mais enrolado o governo e mais paralisado o PT, mais se adianta o deputado Eduardo Cunha nas articulações em prol de sua candidatura pela presidência da Câmara. Já fechou acordos que ainda não podem ser divulgados publicamente, mas estão acertados nos bastidores.

A oposição assegurou a Cunha os votos, mas ficou combinado que por ora será dito que a tentativa será uma terceira via provavelmente por meio do nome do deputado Júlio Delgado (PSB-MG). Escaldado, o mineiro não aceita o papel de mera figuração. Só será candidato se tiver apoio real. Coisa que a oposição não quer explicitar agora para nenhum dos dois lados.

Dois fatos: o DEM recuou a fim de não caracterizar a candidatura de Cunha como de oposição e assim deflagrar reação do Planalto e o PSDB resolveu disfarçar. Que tem candidato de oposição quando na verdade prefere fechar com Cunha mediante dois compromissos: a continuidade das investigações sobre a Petrobrás e a não obstrução de projetos contrários aos interesses do governo.

Por enquanto, os supostos governistas se mantêm "em guarda". Logo, porém, dirão com menor ou maior clareza como será o seu modo preferencial de atuar.

Não se iludam: assim a onça sempre beberá esteja ela na beira ou à distância do regato.

Tudo o que sabemos sobre:
Dora KramerMárcio Thomaz Bastos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.