Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão
Imagem William Waack
Colunista
William Waack
Colunista
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Uma mãozinha

As circunstâncias não são ruins para os adversários de Bolsonaro e Lula, mas falta ação

William Waack, O Estado de S.Paulo

06 de janeiro de 2022 | 03h00

A última vez em que um candidato apostou com sucesso que as várias circunstâncias o ajudariam foi Bolsonaro em 2018. Assim mesmo, ele se empenhou em empurrar as circunstâncias a seu favor (via uso das redes sociais) e teve a facada como um imponderável decisivo (a política é o campo do imponderável). Só que 2018 não se repete, é o consenso geral entre analistas e agentes políticos.

Por isso é que jogar parado como Lula faz é uma tática arriscada sobretudo contra o tempo. Aparentemente o calejado estado-maior petista acha que tudo converge para uma vitória até em primeiro turno. Os “empurrões” (a mãozinha ajudando os fatos) são absolutamente previsíveis: acenos ao difuso “centro” (via Alckmin) e o apelo à memória de tempos melhores (como se sabe, nada muda mais do que o passado).

O problema para o cálculo político dos adversários de Lula e Bolsonaro é, em primeiro lugar, estabelecer se as circunstâncias estão atrapalhando ou ajudando as diversas candidaturas. Bolsonaro se esmera em reiterar o que tem de pior em termos de imagem, e Lula o que se espera de pior em termos de falta de ideias para tirar o País da estagnação (como demonstra sua opção de porta-voz para assuntos econômicos). Mas é essa a percepção geral do eleitorado? Ou só da minúscula parcela dos que se dedicam profissionalmente à política?

Não, a eleição não está ainda no horizonte do grande público. Razoável “consenso” entre profissionais de pesquisas indica uma “demanda do eleitorado” rumo ao que se chamaria (com todas as dificuldades apresentadas pela maçaroca ideológica brasileira) para a “centro-direita”. Mas dentro de um ambiente emocional, importantíssimo para a política, de considerável medo (inflação e corrosão da renda), cautela (pandemia) e resignação (decepção com os incumbentes nos cargos políticos).

Surge daí para os adversários de Lula e Bolsonaro uma conclusão preocupante: as circunstâncias criam a mistura combustível necessária para incendiar uma eleição, mas isso dependerá da capacidade política de criar a faísca. Que é função neste momento de organização e mobilização políticas que rompam medo e resignação através de um “sonho”, de um horizonte além das corretas propostas de saúde, equilíbrio fiscal, educação de qualidade ou transparência democrática (tudo elogiável, sem dúvida).

De fato o País desaprendeu a sonhar consigo mesmo e hoje titubeia entre qual o pesadelo menos pior. Se não houver a “mãozinha” empurrando as circunstâncias, o sonho dependerá do imponderável. É muito alto o risco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.