Uma guerra de DNAs. Em jogo, uma rica vila da Toscana

Um teste de DNA demonstrou que sir Harold Acton, o filantropo inglês que doou uma rica vila na Toscana à Universidade de Nova York, pode ter uma irmã ilegítima ? uma reivindicação dos herdeiros de Liana Beacci, que exigem parte da propriedade.A propriedade, conhecida como Villa La Pietra, é uma construção do século 15, com 23 hectares, sobre Florença e inclui cinco casas com vistas para a capital toscana, uma imensa biblioteca e uma coleção de arte de 5.000 obras, com destaque para um relevo de Donatello e tapeçarias flamengas do século 15. Ela já hospedou membros da família real inglesa, líderes como Winston Churchill e escritores como D.H. Lawrence, e hoje serve como campus da universidade em Florença.Liana Beacci impetrou uma ação, anos atrás, para contestar a doação à NYU, feita em 1994, afirmando que era filha ilegítima do pai de sir Harold, sir Arthur Acton, e desse modo teria direito a uma parte do espólio.De acordo com a lei italiana, Beacci teria direito a algo como 25% da propriedade. Ela morreu em 2000, mas seus filhos e netos substituíram-na na ação.O teste de DNA foi determinado por um juiz de Florença que conduz o caso e o resultado foi entregue hoje ao tribunal, disse o advogado da NYU, Andrea Scavetta.A comparação entre os perfis genéticos de Liana Beacci e Arthur Acton realça a compatibilidade genética entre eles?, diz o documento, segundo Scavetta.O relatório diz também que a probabilidade de sir Arthur ser o pai de Beacci é muito alta ? e que os níveis de probabilidade estão ?acima dos estabelecidos pela legislação européia para confirmar a paternidade biológica nesse tipo de análise?.O teste de DNA foi proposto por Beacci enquanto estava viva e, no ano passado, o juiz florentino Fiorenzo Zazzeri concordou com ele.Os corpos foram exumados em junho e julho do ano passado, para extração de amostras de tecido para o teste, disse o cientista forense escolhido pelo tribunal, Pier Marco Leoncini.Leoncini explicou que o teste foi muito difícil e levou muito tempo porque o corpo de Arthur Acton, que morreu em 1953 e foi enterrado em Florença, tinha-se deteriorado depois de tantos anos.Leoncini nota que o relatório não afirma que a paternidade é certa, mas diz que os dois DNAs ?poderiam ser compatíveis?. A NYU rejeita as conclusões do relatório.?Nosso posição é muito crítica? a respeito das conclusões, diz Scavetta. ?Nossos especialistas chegaram a resultados opostos.?O advogado acrescenta que, de qualquer forma, os resultados são irrelevantes, uma vez que sir Harold herdou a vila de sua mãe, Hortense Mitchell, e não de seu pai. Hortense era uma americana rica, que comprou a vila no início do século 20.Beacci afirmava que era filha ilegítima de Arthur Acton e sua secretária.A próxima seção do tribunal está marcada para 3 de junho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.