Marcio Fernandes/Estadão
Marcio Fernandes/Estadão

'Uma faísca pode abalar a democracia’

Professor diz que Brasil está diante de dois caminhos: optar por uma renovação do sistema político ou abraçar um discurso moralista de rejeição 'a tudo e a todos'

Entrevista com

Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP

Luiz Raatz, O Estado de S.Paulo

10 Junho 2018 | 04h01

Cinco anos depois das jornadas de junho de 2013, o Brasil se vê diante de uma encruzilhada, a poucos meses das eleições de outubro: optar por um caminho de renovação do sistema político ou abraçar um discurso moralista de rejeição “a tudo e a todos”. A opinião é do professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo  (ECA-USP) Eugênio Bucci. A seguir, trechos da entrevista. 

+ Pré-candidatos ao governo paulista ‘inflam’ tempo de TV

Quais os principais efeitos das jornadas de junho hoje?

2013 fez explodir um grau de insatisfação generalizado que estava mais ou menos oculto. 

O que temos hoje guarda relações com isso, mas são relações indiretas. Há uma fúria, uma revolta, um ressentimento na sociedade brasileira. 

+ Depois da filha, mãe vai ‘pra rua’

Ódio dirigido aos partidos?

É um ódio contra as autoridades, à forma de gerir. A gente tem a sensação de que tudo que está por aí é inflamável. Basta uma faísca para o abalo da normalidade democrática. O discurso anticorrupção traz um risco muito grande. 

Qual?

Vem ganhando volume um discurso moralista, antidemocrático e antipolítico. Isso está muito próximo dessa solução apocalíptica, como é uma ditadura – ou uma intervenção militar – como está na moda dizer.

O senhor vê no curto prazo mudança no sistema político?

Pode ser. Existe um cenário que pode trazer mudança: um segundo turno entre um candidato que defenda a democracia e a renovação e um outro que seja porta-voz do imaginário da ditadura. A sociedade brasileira pode se ver diante de uma escolha real e salutar. Isso pode ser bom.

Mais conteúdo sobre:
eleições 2018

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.