Uma Dilma para o carnaval. De 2010

Máscara será baseada no novo visual

Clarissa Thomé, RIO, O Estadao de S.Paulo

16 de janeiro de 2009 | 00h00

A repaginada que ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, deu na aparência já entrou na agenda do artista plástico espanhol Victor de Quadras, de 24 anos. Com base em fotografias, ele está esculpindo em argila o molde para máscaras de carnaval com as novas feições da ministra, com menos rugas após uma operação plástica e novo corte de cabelo. Mas a máscara da nova Dilma não deverá ser vendida agora, só no carnaval do ano que vem. O tempo é curto, e mesmo as máscaras da Dilma antiga, com óculos fundo de garrafa e cabelo mais convencional, não vende bem."A versão antiga da Dilma não tem boa saída. Estamos fazendo uma aposta para 2010", diz Olga Valles, dona da fábrica de máscaras Condal, em São Gonçalo, onde o adereço será fabricado. A empresária é viúva do artista plástico espanhol Armando Valles, que ganhou fama por transformar políticos em máscara, desde Juscelino Kubitschek.Enquanto Dilma deverá esperar mais um ano para cair no samba, o presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, é presença garantida no carnaval carioca de 2009. Diferentemente da ministra, Obama é campeão de vendas. Já foram produzidas pela empresa 10 mil máscaras dele.Na primeira versão, a pele de Obama era mais escura. "Não sabíamos direito a cor dele. Depois, observando as imagens, nos aproximamos do tom real", explica Olga.Dilma não deve ficar chateada por não estar entre as máscaras mais procuradas. Nesse quesito, faz companhia ao prefeito do Rio, Eduardo Paes, e ao governador Sérgio Cabral. "Isso costuma acontecer no início dos mandatos. O ex-prefeito Cesar Maia também não vendeu bem logo depois da posse. Quando a popularidade começa a cair, as vendas sobem", diz Olga.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.