'Uma coisa hororosa', diz Renan sobre criminalização de doações

Para senador alagoano, decisão da segunda turma do Supremo 'aponta a necessidade de reinstitucionalização do Brasil'

Julia Lindner, Agência Estado

10 Março 2017 | 21h01

 

Brasília - O líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), afirmou ao Broadcast Político que o entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) de que doações legais podem configurar recebimento de propina é "uma coisa horrorosa". Para ele, a criminalização do caixa 1, "seja por que motivo for, aponta a necessidade da reinstitucionalização do Brasil".

Esta semana, a Segunda Turma STF aceitou denúncia contra Valdir Raupp (RO) por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Ele é acusado de ter recebido propina de R$ 500 mil por meio de doação oficial para sua campanha ao Senado em 2010. "Em havendo denúncia comprovada de propina é preciso que se apure e se puna, é claro, mas criminalizar o caixa 1 é uma clara demonstração de que a separação dos Poderes está com dificuldade", afirmou o peemedebista.

Renan negou que a classe política esteja preocupada com a quebra de sigilo da delação da Odebrecht. "O importante é aguardar. Não tenho muita informação sobre isso", desconversou. Na próxima semana, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deve pedir a abertura de inquérito contra dezenas de congressistas, entre eles caciques do PMDB.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.