Um show de desinformação

Apesar de ter sido palco para protesto contra a CPMF, o show realizado ontem no Vale do Anhangabaú por entidades como a Fiesp e a Associação Comercial de São Paulo foi protagonizado por alguns artistas que mostraram pouca familiaridade com o tema. Questionado sobre o valor que considera adequado para a alíquota - hoje em 0,38% -, o vocalista da banda Fresno, Lucas Silveira, escorregou: "Não tenho idéia. A gente paga pessoas para cuidar disso". Sobre o atual valor da CPMF, arriscou: "São 7%?" Assumindo desconhecer o valor da contribuição, o baterista da banda NX Zero, Dani Weksler, disse se ver como exemplo da necessidade de se conscientizar a população. "Quer prova maior? Estamos promovendo algo e nem sei dizer ao certo o valor", afirmou, admitindo a gafe com bom humor. Outros se mostraram mais afiados, como Kiko, do KLB. "A CPMF foi criada para melhorar a saúde e a área mostra crescimento irrisório", disse. Luciano, da dupla Zezé di Camargo e Luciano, afirmou que esse debate contribuiu inclusive para que retirasse o apoio ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Quem fala que isso não é um ato contra o governo Lula é idiota", afirmou. O irmão Zezé, entretanto, discordou. Disse que continuará votando em Lula, mas propôs a redução da CPMF para algo em torno de 0,1%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.