Imagem João Bosco Rabello
Colunista
João Bosco Rabello
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Um primeiro passo

Atribuído a Ulysses Guimarães, o dito de que em política só têm importância o fato novo e o fato consumado pode ser aplicado parcialmente ao primeiro movimento da presidente Dilma Rousseff para tentar reverter o desgaste econômico que marca o início de seu segundo mandato.

JOÃO BOSCO RABELLO, O Estado de S.Paulo

23 de novembro de 2014 | 02h02

O fato novo é a aparente determinação de acenar positivamente ao mercado com uma equipe econômica com potencial para resgatar a confiança perdida pela insistência em desconsiderar a relação entre a mudança do modelo econômico e os maus resultados obtidos.

O adiamento do anúncio formal de Joaquim Levy para o ministério da Fazenda, e de Nelson Barbosa, para o Planejamento, não parece vinculado a algum fator que possa reverter as escolhas, mas aos seus desdobramentos, com as nomeações decorrentes, para o Tesouro Nacional, BNDES e outros postos afetados pelas mudanças.

A reação positiva do mercado, presente não apenas em manifestações de apoio como a do ex-diretor do Banco Central Mário Mesquita - hoje sócio de um banco de investimentos -, mas também na maior alta da bolsa desde 2011, reflete o êxito do objetivo presidencial de criar expectativa nova no ambiente econômico.

Com o movimento, a presidente começa a desfazer o vácuo aberto entre o fim da eleição e a sua viagem para a reunião do G20, quando levou ao limite o suspense sobre a direção da economia de seu segundo mandato.

Desfeita a dúvida sobre a qualificação da nova equipe, começam as demais, referentes à autonomia e ao convívio funcional dos novos ministros, cujas passagens anteriores pelo mesmo governo do PT ficaram marcadas pelas divergências com o partido e determinaram a saída antecipada de ambos.

O problema se repetirá, como já ficou patente na reação negativa de setores petistas, e testará a capacidade da presidente da República de se impor ao partido - e também a sua própria de flexibilizar suas convicções econômicas em favor do resgaste de seu governo.

Diante do imenso desafio da nova equipe e a complexa operação política que reúne a administração dos efeitos das investigações na Petrobrás e a recomposição política com o Congresso, deve-se definir a etapa inconclusa da composição do ministério econômico, apenas como uma preliminar do jogo principal.

A expectativa positiva foi criada - esse, o fato novo. A gestão da economia daqui em diante é que mostrará o grau de autonomia dos ministros que voltam ao governo do PT - e se terão, desta vez, o respaldo presidencial para exercerem a missão de restaurar a economia.

É quando se terá, para o bem ou para o mal, o fato consumado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.