Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Um morto e dois feridos em fazenda invadida no Pará

Um homem foi morto com vários tiros e duas pessoas baleadas por pistoleiros durante uma emboscada nos arredores da Fazenda Boa Sorte, em Parauapebas, no sul do Pará. O morto, ainda sem identificação, foi levado para o Instituto Médico Legal de Marabá. Os feridos são um soldado da Polícia Militar e sua mulher, que procuraram atendimento médico na cidade, mas como não apresentavam gravidade foram medicados e liberados. Os dois seriam parentes do morto e sumiram da região porque estariam jurados de morte. O delegado de Polícia do Interior, Roberto Teixeira, confirmou a morte do desconhecido, ocorrida ontem, mas disse que a emboscada ocorreu fora da fazenda Boa Sorte. Segundo ele, as duas outras pessoas foram baleadas na fazenda Cajazeiras, ás proximidades da "Boa Sorte", por causa de um desentendimento. Posseiros da Sorte, porém, asseguram que a emboscada foi dentro da fazenda e que depois o corpo da vítima foi arrastado para fora, para intimidar outras famílias que aguardam a desapropriação das terras. O crime teria por motivação a desapropriação da fazenda pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). O local foi invadido há dois anos e é hoje disputado por grupos ligados à Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetagri), MST e pessoas que o suposto dono da área, o fazendeiro Valdemar Camilo, colocou nas terras para impedir que ela fosse ocupada. Teixeira informou que a fazenda está agora sob a jurisdição da Polícia Federal por ser terra da União. O fazendeiro Valdemar Camilo reclama a propriedade da fazenda, mas não tem a titulação. Ele é apoiado pelo Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Parauapebas, cuja direção está sendo questionada na Justiça. A Boa Sorte já vem sendo palco de conflitos há alguns anos, inclusive com a ocorrência de torturas e até uma morte até agora não esclarecida. No ano passado, a posseira Feliciana da Silva, a Maria Preta, denunciou na Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, em Brasília, ter sido torturada e atirada num sobre um formigueiro por invasores ligados à Fetagri.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.