Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

‘Um médico não abandona o paciente’, diz Mandetta

Ministro da Saúde afirmou que não sairá da pasta por vontade própria, a menos que Bolsonaro use a 'caneta' para demiti-lo

Julia Lindner e André Borges, O Estado de S.Paulo

03 de abril de 2020 | 19h37

BRASÍLIA - Ao prever semanas "duríssimas" no Brasil em razão da pandemia do novo coronavírus, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, voltou a se contrapor aos questionamentos do presidente Jair Bolsonaro, dizendo que é um médico que trabalha pelo Brasil. Na analogia, ele indicou que não pretende "abandonar" o País neste momento.  "O compromisso do médico é com o paciente. E o paciente agora é o Brasil", disse Mandetta durante coletiva de imprensa no Palácio do Planalto nesta sexta-feira, 3.

Na última quinta, Bolsonaro afirmou que não pretende dispensar Mandetta “no meio da guerra”, mas ressaltou que ninguém é “indemissível” em seu governo. O embate do presidente com o ministro da Saúde se deve às divergências de opiniões nas medidas para o controle da covid-19. Enquanto Bolsonaro defende flexibilizar o isolamento, Mandetta tem mantido a orientação para as pessoas ficarem em casa. 

Durante a entrevista desta sexta, o ministro comparou a postura de Bolsonaro com a de um familiar do paciente que questiona a abordagem médica e busca uma segunda opinião para saber como agir. "Cabe ao paciente, representado pelo presidente, dizer se a conduta adotada é interessante."

Mandetta falou sobre o assunto ao ser questionado sobre a postura de Bolsonaro de criticá-lo publicamente durante a crise. Na quinta, o presidente disse que ele e o ministro da Saúde "não estão se bicando há algum tempo". Questionado se pode deixar a pasta, Mandetta respondeu que não tomará a decisão por vontade própria, a menos que Bolsonaro "use a caneta" para demiti-lo. "Um médico não abandona o paciente", declarou.

Para ele, a posição do presidente é de alguém que se preocupa com a situação econômica mais carentes, mas rebateu que esse é um ponto que deve ser resolvido com políticas sociais. Ainda sobre o assunto, Mandetta ressaltou que o Brasil é um dos que mais tem investido proporcionalmente no combate aos efeitos da covid-19.

"É normal que quem tem amor pelo Brasil, como é o caso do presidente Bolsonaro, se preocupe e questione as decisões", afirmou Mandetta. "Da minha parte, isso é muito tranquilo", minimizou em outro momento.

Mandetta disse que "não é dono da verdade" e que está buscando medidas baseadas na opinião de médicos experientes. Ele citou como exemplo a situação de países como Itália e Espanha, que enfrentam colapso no sistema de saúde. "Minha posição é de cautela. Todos que passaram por isso na marcha rápida tiveram colapso", avaliou.

Mesmo diante das críticas que Bolsonaro tem feito aos Estados, Mandetta recomendou que a população siga as orientações dos governadores sobre medidas de isolamento, inclusive para decidir se vão participar de manifestações, o que iria contra orientações de entidades da saúde. "Teremos 20 semanas duríssimas. Passamos pelas quatro ou cinco primeiras semanas. Teremos semanas duras em abril e duríssimas em maio", disse.

Mandetta voltou a reforçar a importância do distanciamento social. "Vamos ter o máximo de comportamento social. Permaneça, fica em casa esse fim de semana", recomendou. Para ele, independente de posições divergentes, o ser humano possui uma reação instintiva. "É Instintivo, é preservação da vida. Se a humanidade não tivesse este instinto, a Índia, com 1,3 bilhão de pessoas não teria ouvido o primeiro-ministro Modi (Narendra Modi) pedir para irem para casa."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.