Um dia após críticas, Lula faz afagos à imprensa

Depois de criticar, em discurso inflamado, o noticiário que tratou o Encontro Nacional com Novos Prefeitos e Prefeitas como um ato político-eleitoral que beneficiaria a pré-candidatura da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva reconheceu ontem, em conversa informal com os jornalistas, que a imprensa escreveu a verdade. "Vocês não escreveram maldade... Nem bondade nem maldade. Foi a verdade", afirmou.Contrastando com o a irritação do dia anterior - "Tem dia que a gente acorda virado e, se cair um pingo de suor no copo, vira limonada", dissera ele, na terça-feira -, Lula ontem negou que estivesse irritado. "Apenas comentei fatos relevantes", disse. "Então a raiva passou?", insistiu um repórter. "Faz muito anos que não tenho raiva. Aprendi que quando a gente tem raiva só a gente sofre. Porque a pessoa de quem a gente tem raiva não fica nem sabendo que a gente tem raiva", respondeu o presidente.Na terça-feira, Lula dedicou a maior parte de seu discurso de quase uma hora para quase 4 mil dirigentes municipais para reclamar dos jornais e dizer que a imprensa foi "pequena" ao afirmar que ele convocou o encontro prefeitos para anunciar medidas de apoio às prefeituras e, assim, promover a candidatura presidencial de Dilma.Além de condenar a imprensa por ter classificado a ajuda aos prefeitos de "pacote de bondades", Lula criticou também a gestão tucana em São Paulo, sem citar o nome do governador José Serra, colocando prefeito Gilberto Kassab (DEM)constrangido, ao afirmar que o Estado mais rico do país tem 10% de analfabetos. Mais tarde, porém, apoiou a candidatura de uma mulher à Presidência.REAÇÕESPara o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), a reação de Lula contra a imprensa é "contraditória". O senador Heráclito Fortes (DEM-PI) diz que "o presidente de vez em quando revela vocação para o autoritarismo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.