Um debate com dois modelos vitoriosos em confronto

O tucano Geraldo Alckmin e o petista Aloizio Mercadante protagonizaram o debate Estadão/Gazeta trazendo na ponta da língua os dois modelos políticos bem-sucedidos que representam. Ambos cumpriram seu script à risca. Alckmin levou para o debate indicadores positivos obtidos pelos 16 anos das administrações do PSDB em São Paulo. Já Mercadante procurou colar a sua candidatura no sucesso de popularidade conseguido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva à frente do governo federal.

Análise: Marcelo de Moraes*,

25 de agosto de 2010 | 02h51

 

Isto não ocorreu à toa. A campanha pelo governo paulista atravessa um momento de definição. Alckmin lidera com folga as pesquisas de intenção de voto e pode até garantir sua eleição já no primeiro turno.

 

A questão é que Lula decidiu investir na campanha paulista para tentar alavancar a candidatura de Mercadante. O presidente sabe que uma nova vitória do PSDB em São Paulo, maior colégio eleitoral do Brasil, será decisiva para preservar a força política da oposição.

 

Na verdade, a disputa de São Paulo reproduz a polarização política que PT e PSDB vêm mantendo no quadro nacional. Com seus mais de 30 milhões de eleitores, a campanha paulista se tornou mais do que estratégica. Ela passou a ser um movimento central no futuro dos dois grupos.

 

Se o PSDB de Alckmin vencer, terá fôlego para manter a oposição caso Dilma Rousseff derrote José Serra na disputa presidencial. Mais que isso, poderá também ter a base política necessária para preparar uma candidatura presidencial forte para 2014.

 

Se o PT de Mercadante reagir, a oposição precisará reinventar toda sua tática nacional e Lula e seus aliados ganharão um poder político inédito, controlando simultaneamente governo federal e o maior Estado do País.

 

Por conta disso, Lula intensificou sua presença em São Paulo, ao lado de Mercadante. E o petista ontem citou o presidente e as realizações do governo federal sempre que teve uma oportunidade durante todo o debate.

 

Esse clima de momento de decisão entre os dois candidatos mais bem colocados nas pesquisas ficou claro durante todo o debate e ofuscou até a participação dos outros quatro candidatos: Celso Russomanno, Paulo Skaf, Fabio Feldmann e Paulo Bufalo.

 

Por melhores que fossem suas propostas, a disputa de ontem era outra. De um lado, PSDB protegendo sua principal fortaleza. Do outro, o PT procurando um jeito de derrubar esse castelo.

 

*É JORNALISTA DO ‘ESTADO’

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.