Ultrarricos ganham força no Brasil, diz 'Financial Times'

Em caderno especial sobre mercado de luxo, jornal destaca ampliação de mercado para além de centros financeiros tradicionais.

BBC Brasil, BBC

14 de junho de 2010 | 08h42

Uma reportagem no jornal "Financial Times" desta segunda-feira afirma que "os ultrarricos do Brasil estão crescendo em número e força".

A reportagem destaca a expansão do mercado de luxo brasileiro para cidades além de Rio e São Paulo, um fenômeno impulsionado pelo crescimento estelar do país, que se expandiu 9% entre o primeiro trimestre de 2009 e o mesmo período deste ano.

O texto é parte de um caderno especial sobre o mercado de luxo produzido pelo jornal, que aborda tantos mercados desenvolvidos quanto emergentes. A publicação destaca como causa do aumento deste nicho a ampliação da renda no Brasil.

"A crise afetou os ricos latino-americanos menos que seus pares em outros continentes, e a proporção de ultrarricos em relação à população abastada é maior do que em qualquer outra região", afirma o jornal, citando um relatório elaborado pelo banco Merrill Lynch e a consultoria Capgemini.

"Em 2008, o número de ricos no Brasil aumentou para 131 mil, passando o número da Austrália e da Espanha, e levando o Brasil ao 10º posto na tabela dos super-ricos."

O jornal destaca como esse segmento está se desenvolvendo em outras cidades além das tradicionais São Paulo - onde se concentra 70% deste nicho, segundo a reportagem - e Rio.

"Além de inaugurar um shopping center em Brasília em março", exemplifica o jornal, "o Iguatemi está planejando outros em São Paulo e quatro mais em Alphaville, Jundiaí, Ribeirão Preto e São José do Rio Preto, no Estado de São Paulo".

Para o "Financial Times", "com imagens abundantes das favelas e da violência urbana, é fácil ver o Brasil como um país pobre. Mas esse é apenas metade da história".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.