UE começa a analisar importação de canola da Monsanto

Os 25 países que compõem a União Européia (UE) começarão a analisar, na quarta-feira, se aprovam a importação de um tipo canola geneticamente modificada para uso na indústria de ração, desenvolvida pela norte-americana Monsanto.A questão será discutida na reunião semanal do Conselho de Ministros, segundo Fabbio Fabbi, um dos porta-vozes da UE. Os governantes europeus continuam divididos quanto à aprovação de novos organismos geneticamente modificados (OGM) no bloco. Alguns acreditam que os transgênicos são fonte de alimentos barata e sustentável, outros expressam preocupações com o que eles chamam de "Frankenstein food".No caso em questão, a Monsanto quer comercializar a canola GT73 para a indústria de ração animal. A oleaginosa foi modificada para resistir a um herbicida fabricado pela própria companhia. Embora os pedidos de importação sejam menos sensíveis ao crivo dos ministros que aqueles para o cultivo em solo europeu, a canola GT73 tem atraído mais atenção por conta da comunidade científica local.Em junho os especialistas em meio ambiente da UE chegaram a um impasse. O órgão de segurança alimentar da UE deu sinal verde para a importação, mas o Comitê Consultivo de Liberação para o Meio Ambiente, do Reino Unido, expressou algumas preocupações quanto à segurança do produto. Num esforço para destravar o processo, a Comissão Européia apresentará a questão ao Conselho de Ministros, que terá três meses para chegar a uma decisão.Analistas acreditam que a maioria dos ministros vai rejeitar a importação da canola. Em maio e em agosto, a UE aprovou a importação de dois tipos de milho transgênico. Em ambos os casos a Comissão Européia teve de dar a palavra final por conta do impasse entre os governos do bloco.A resistência européia aos transgênicos tem provocado tensões comerciais com os Estados Unidos e outros parceiros importantes. Os EUA entraram com uma ação na Organização Mundial do Comércio (OMC) questionando a política da UE para os OGMs. A decisão da OMC deve sair em março.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.