UDR vai responsabilizar Stédile por danos a fazenda invadida

Advogados da União Democrática Ruralista (UDR) vão protocolar segunda-feira, no Fórum e na Delegacia de Polícia de Andradina, interior de São Paulo, pedidos de abertura de inquéritos criminais contra o coordenador nacional do Movimento dos Sem-Terra (MST), João Pedro Stédile. Segundo o presidente da entidade, Luiz Antonio Nabhan Garcia, o líder dos sem-terra será responsabilizado pelos danos causados à fazenda Timboré, invadida duas vezes durante o mês de abril, e como cúmplice dos atos violentos praticados contra os proprietários.Garcia foi procurado nesta quinta-feira pelo filho dos donos da fazenda, Frederico Leite de Moraes, que disse estar sendo ameaçado de morte pelos militantes do MST. De acordo com o relato de Moraes, os sem-terra ameaçaram "acabar" com ele, caso não retire um pedido de reintegração de posse feito à Justiça que os obriga a permanecer a uma distância mínima de 10 km da fazenda. A liminar, dada pelo juiz Augusto Antonini, fixa multa diária de R$ 1 mil caso a ordem não seja cumprida.Os sem-terra deixaram a fazenda na madrugada de quarta-feira, mas permanecem na estrada que corta a propriedade. Segundo Garcia, todas as cercas da propriedade foram arrancadas e parte do gado saiu nas estradas. Os sem-terra gradearam parte dos pastos e atearam fogo no restante. O incêndio só não se propagou porque as pastagens estão verdes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.