UDR quer que Stédile seja preso por incentivar invasões

O presidente da União Democrática Ruralista (UDR), Luiz Antonio Nabhan Garcia, vai protolocar hoje na procuradoria geral do Ministério Público Federal (MPF), em São Paulo, uma representação contra o coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), João Pedro Stédile, por ter incentivado, em rede nacional, as invasões de terras. No documento, os advogados da UDR pedem que seja decretada a prisão do líder do MST. Segundo Nabhan, ao afirmar no sábado que em abril os sem-terra vão realizar uma onda de invasões e "infernizar", Stédile cometeu crime contra a ordem pública. No Pontal do Paranapanema, o MST começou a organizar as marchas de protesto contra a falta de assentamentos na região que pretende realizar a partir do dia 1º de abril. As marchas devem mobilizar cerca de 1.700 militantes e terminarão com uma série de atos em Presidente Prudente, entre os dias 6 e 7.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.