UDR diz que conflito com sem-terra é iminente em SP

O presidente da União Democrática Ruralista (UDR), Luis Antonio Nabhan Garcia, disse nesta quinta-feira que é iminente um conflito entre seguranças da Fazenda Agropecuária Dourado e militantes do Movimento dos Sem-Terra (MST), emPereira Barreto, na região norte do Estado de São Paulo.Os sem-terra querem impedir a colheita deuma lavoura de milho plantada na fazenda e ameaçam destruir a plantação. SegundoNabhan, o grupo tem armas e bombas incendiárias do tipo coquetel molotov e teriaameaçado pôr fogo na propriedade. "Em razão das ameaças, os proprietários contrataram 40 seguranças."A fazenda sofreu seguidas invasões nos últimos 4 anos. Na última, os sem-terra colocaram tratores sobre as pastagens e plantaram milho. OTribunal de Justiça (TJ) havia concedido a reintegração de posse, mas os sem-terranegavam-se a sair. No dia 21 de fevereiro deste ano, a juíza Maria de Fátima Pimentelde Lima, da 2ª Vara Judicial de Pereira Barreto, determinou a retenção da lavoura a títulode indenização dos danos causados à propriedade.Também mandou que os 500 sem-terra se mantivessem a pelo menos 10 quilômetros dos limites da fazenda, sob pena de multa diária. "A ordem judicial ainda não foi cumprida e eles permanecem junto ao portão de entrada", reclamou Garcia.A UDR, entidade que reúne fazendeiros eproprietários rurais, enviou ofício ao comando geral da Polícia Militar pedindoprovidências para evitar o confronto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.