Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Twitter suspende perfil de Eduardo Bolsonaro, mas alega erro e retira bloqueio

Plataforma diz que sistema que monitora violação de regras teria apontado, erroneamente, problema em uma publicação do deputado

Vinícius Valfré, O Estado de S.Paulo

06 de fevereiro de 2022 | 17h36

BRASÍLIA -  O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) informou, neste domingo, 6, por meio de seu perfil oficial no Instagram, que teve a sua conta no Twitter suspensa temporariamente por violação das regras de uso do site. A plataforma, porém, diz que a punição se deu por um erro do próprio sistema. O perfil do filho do presidente Jair Bolsonaro já foi reativado.

"Mais uma, agora no Twitter. E segue a pergunta: por quê? Eles não dizem nem qual post eu violei a tal política da comunidade. E lá vou eu mais uma vez tratar com advogados a questão", escreveu.

O Twitter alegou que o sistema que monitora violação de regras teria apontado, erroneamente, problema em uma publicação do deputado. Eduardo teria que aguardar um "período probatório" como punição. Entretanto, a sanção foi removida.

Na sexta-feira, 4, Eduardo Bolsonaro gerou revolta no Twitter ao usar a rede social para associar a cratera no metrô de São Paulo ao fato de a concessionária responsável pela obra que desabou priorizar a contratação de mulheres.

O deputado publicou um vídeo em que Stefania Riciulli, coordenadora de comunicação da empresa Acciona, defende uma política para contratação de mulheres.

“'Procuro sempre contratar mulheres', mas por qual motivo? Homem é pior engenheiro? Quando a meritocracia dá espaço para uma ideologia sem comprovação científica o resultado não costuma ser o melhor. Escolha sempre o melhor profissional, independente da sua cor, sexo, etnia e etc", escreveu.

Reação

A empresa se manifestou por meio de uma nota na qual classificou o comentário do deputado como desrespeitoso.

"A Acciona, como uma empresa que tem o respeito à diversidade como um dos pilares de sua política de ESG, lamenta profundamente o teor dessa videomensagem que circula em redes sociais. A empresa considera o conteúdo misógino e extremamente desrespeitoso com nossas colaboradoras", diz o texto.

Diversas entidades criticaram as declarações de Eduardo Bolsonaro. Entre elas, a Coordenadoria Nacional de Igualdade de Oportunidades e Eliminação da Discriminação no Trabalho, do Ministério Público do Trabalho, a Associação Nacional dos Procuradores e das Procuradoras do Trabalho e a Associação Brasileira de Mulheres em Carreira Jurídica.

As instituições repudiaram "qualquer fala que associe as falhas ou a incapacidade profissional com o fato de ser mulher ou mesmo questione a importância de ações afirmativas para a promoção da igualdade de oportunidades no trabalho".

Tudo o que sabemos sobre:
Eduardo BolsonaroTwitterAcciona

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.