Reprodução/TV Brasil 2
Reprodução/TV Brasil 2

AO VIVO

Eleições: 2020: notícias, resultados e apuração do 2° turno

TV Brasil não deve ser porta-voz de ‘políticas irresponsáveis’ de Bolsonaro, diz ABI

Emissora transmitiu videoconferência de Bolsonaro com líderes religiosos; presidente contrariou projeção do Ministério da Saúde e afirmou que coronavírus está ‘começando a ir embora’

Bruno Nomura, O Estado de S.Paulo

13 de abril de 2020 | 17h30

A Associação Brasileira de Imprensa (ABI) criticou, em nota divulgada nesta segunda-feira, 13, a transmissão de uma videoconferência entre o presidente Jair Bolsonaro e líderes religiosos na TV Brasil 2. Na conversa, transmitida em comemoração à Páscoa no domingo, Bolsonaro afirmou que o novo coronavírus está “começando a ir embora”, contrariando estimativas do Ministério da Saúde de que o País ainda não atingiu o pico da pandemia.

Segundo a nota, assinada pelo presidente da ABI, Paulo Jeronimo de Sousa, Bolsonaro fez “proselitismo” ao divulgar suas “políticas irresponsáveis” no combate ao coronavírus. A associação também chamou atenção ao convite feito a “pastores representantes de igrejas fundamentalistas” que estariam alinhadas ao governo Bolsonaro. “A TV Brasil, por definição, é uma emissora pública, e não uma porta-voz de suas posições”, criticou o texto.

A transmissão ocupou mais de duas horas da programação da TV Brasil 2 e contou com a presença de líderes religiosos como o missionário R. R. Soares, o pastor Silas Malafaia, o padre Reginaldo Manzotti e deputado Marco Feliciano.

“Temos dois problemas pela frente, o vírus e o desemprego. Quarenta dias depois, parece que está começando a ir embora a questão do vírus, mas está chegando e batendo forte o desemprego. Devemos lutar contra essas duas coisas. Obviamente, sempre lutamos crendo, acreditando em Deus acima de tudo. Vamos vencer esses obstáculos", afirmou Bolsonaro na videoconferência.

O Ministério da Saúde não quis comentar as declarações do presidente no encontro. Horas depois, no entanto, em entrevista à TV Globo, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, declarou que os meses de maio e junho serão os mais difíceis no enfrentamento da covid-19 no Brasil.

Leia a nota da ABI:

TV Brasil deve ser uma emissora pública

Neste Domingo de Páscoa a TV Brasil, transmitindo em rede nacional, dedicou duas horas de sua programação para fazer proselitismo do presidente Jair Bolsonaro e das políticas irresponsáveis que ele prega diante da pandemia do coronavírus. O espaço teve participação destacada de pastores representantes de igrejas fundamentalistas alinhadas com seu governo.

Com a autoridade de seus 112 anos de existência em defesa das causas democráticas no país, a ABI lembra ao presidente da República que o Executivo dispõe da NBR para divulgar suas iniciativas e que a TV Brasil, por definição, é uma emissora pública, e não uma porta-voz de suas posições. 

Paulo Jeronimo de Sousa – Presidente da ABI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.