TV Brasil começa a transmitir na África

Há também interesse em aumentar presença no continente, sobretudo nos países lusófonos

Wilson Tosta, O Estado de S. Paulo

13 Maio 2010 | 09h43

RIO - A TV Brasil Internacional, braço no exterior da TV Brasil, emissora operada pela estatal Empresa Brasil de Comunicação (EBC), iniciará suas transmissões no dia 24, pela África. Na estreia, em ato no Itamaraty, haverá conversa ao vivo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de Brasília, com seu colega de Moçambique, Armando Guebuza, em Maputo.

 

O canal só não chegará a cinco países do continente africano: Egito, Líbia, Argélia, Tunísia e Marrocos. A programação não será a mesma do Brasil, pois não terá produções estrangeiras licenciadas para veiculação apenas em território brasileiro.

 

Um dos alvos da TV Brasil Internacional é formado pelas comunidades de brasileiros no exterior - atualmente, cerca de 2 milhões de pessoas -, mas o objetivo principal da emissora, segundo a presidente da EBC, Tereza Cruvinel, vai além. "Queremos ter uma TV que expresse no exterior a diversidade e a cultura do Brasil", disse ela.

 

A emissora começará pela África porque foi lá que conseguiu fechar o primeiro contrato de retransmissão local por cabo, com a distribuidora Multichoice. Há também interesse do Brasil em aumentar sua presença no continente, sobretudo nos Palops (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa): Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné Bissau, Guiné Equatorial e São Tomé e Príncipe. Os seis serão cobertos pela emissora.

 

Diferentemente de outras estações internacionais, que transmitem nos seus idiomas, mas com legendas em línguas dos países receptores, a TV brasileira só transmitirá em português. Há planos para, futuramente, legendar alguns programas em inglês, mas existe um obstáculo: o custo.

 

Os testes de transmissão da TV Brasil Internacional já começaram. No dia 20, o sinal será aberto, em caráter experimental, para a África e, no dia 22, já entrará nos pacotes básicos de TV a cabo da Multichoice no continente africano.

 

Festa

 

A solenidade do início da transmissão oficial, no Salão Brasília do Itamaraty, no dia 24, será em parceria com o Ministério das Relações Exteriores, que recebeu de emigrados a reivindicação de uma TV brasileira a preço acessível no exterior.

 

Atualmente, Globo e Record têm canais internacionais. A TV Brasil Internacional substituirá o Canal Integración, parceria com emissoras de países da América Latina, em português e espanhol, que não deu muito certo e saiu do ar.

 

A programação africana da TV Brasil terá menos espaço para programas infantis e abrirá espaço para mais conteúdos que falem do Brasil, como o Projeto Pixinguinha e a série Expedições. Por causa do fuso horário, o telejornal Repórter Brasil, que vai ao ar à noite no Brasil, será exibido na África pela Brasil Internacional primeiro ao vivo - lá será madrugada - e reprisado às 7h.

 

A EBC também negocia levar o seu canal internacional a outros continentes. Uma das negociações em andamento, para chegar aos EUA, é com a Dish Network, que poderia incluir a emissora brasileira em um "pacote étnico" de TV a cabo em língua portuguesa. Para a América Latina, as conversas são com a Direct TV, e, para Portugal e Espanha, com o grupo Prisa. O mesmo satélite possibilitaria chegar ao Japão, mas os preços foram considerados proibitivos. Outras partes do mundo estão fora das possibilidades no momento.

 

"Por causa do fuso, precisaremos montar outra programação para os Estados Unidos e América Latina", disse Tereza, que não deu prazo para novos acordos.

 

Audiência

 

No País, a TV Brasil tem sido criticada, entre outros motivos por sua baixa audiência: em 2008, segundo o Relatório de Atividades Nov.2007/Dez. 2008, da EBC, seus índices variaram de 1% a 2% do share, com picos até 5% e, excepcionalmente, 20% no Desfile de Sete de Setembro. Uma pesquisa do DataFolha, feita a pedido da própria estatal, apurou que 10% dos pesquisados diziam assistir à TV Brasil com regularidade.

 

Para entender

 

A TV Brasil Internacional - que substitui o Canal Integración - é um dos projetos de expansão da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC), criada em 2007 para operar a TV pública. O objetivo é alcançar parte dos 3 milhões de brasileiros que vivem no exterior. O canal será transmitido a cabo e terá programação em língua portuguesa. Os próximos alvos serão os Estados Unidos e América Latina.

Mais conteúdo sobre:
TV BrasilÁfricatransmissão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.