Turistas são mantidos como reféns em TO

Treze turistas de Goiânia e do Paraná estão sendo mantidos desde segunda-feira como reféns dos índios carajás, na cidade de São Félix do Araguaia, distante 1.140 quilômetros de Cuiabá. O grupo foi pescar no domingo na Ilha do Bananal (TO) onde vivem cerca de 500 índios, e ao tentar retornar tiveram as três caminhonetes apreendidas. Os índios só liberam os carros e turistas mediante o pagamento de R$ 20 mil.Os turistas estão abrigados na cidade, na garagem da casa de um amigo que faz parte do grupo, segundo informações da Fundação Nacional do Índio (Funai). Funcionários do órgão indigenista estão negociando com os índios a libertação dos turistas, que consideram o valor solicitado pelos índios exorbitante.Até começo da noite, o grupo de turistas e os índios não haviam chegado a um acordo. Segundo o funcionário da Funai, José Javaé, os índios estão irredutíveis e só aceitam liberar as três caminhonetes caso os turistas aceitem pagar o valor solicitado. "É uma quantia absurda", disse o comerciante Ciro Gatto. Por telefone, Javaé afirmou que os turistas não tinham autorização, nem da administração regional da Funai de Goiânia, e nem de São Félix do Araguaia para acampar próximo à aldeia Santa Izabeldo Morro, a 6 quilômetros de São Félix do Araguaia. Estão em poder dos índios uma caminhonete D-20, uma F-1000 e uma caminhonete Mitsubishi. Os veículos estão retidos dentro da reserva. Sem o dinheiro, segundo funcionários da Funai, os índios não vão devolver os automóveis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.