Turista atacado por tubarão está fora de perigo

Atacado por um tubarão no início da tarde de ontem, quando tomava banho na praia de Boa Viagem, no Recife, o comerciante paulista Wagner da Silva, de 25 anos, não corre risco de morte, mas ainda não está descartada a possibilidade de infecção devido às lesões que sofreu. Ele teve a panturrilha direita dilacerada, perdeu o dedo médio esquerdo, além de nervos e tendões da mão e punho direitos. Ele poderá ficar incapacitado para os chamados movimentos finos com mão direita ? aqueles que exigem muita precisão. Socorrido no Hospital da Restauração, onde se submeteu a cirurgia, ele foi transferido ontem para o Hospital São Marcos. De acordo com o médico cirurgião Henrique Costa, do HR, que o atendeu, depois de passado completamente o risco de infecção ? cerca de oito dias - Wagner deverá se submeter a outras cirurgias ? primeiro enxerto na perna, devido à perda de músculos e pele, e depois, provavelmente, deverá passar por mais de uma intervenção na mão direita. Antes da transferência de hospital, Wagner falou por telefone com a reportagem do Estado. Embora soubesse da ocorrência de ataques de tubarão na orla da região metropolitana, ele afirmou estar se sentindo seguro em Boa Viagem, mesmo tendo ultrapassado os arrecifes. A maré estava baixa, ele queria tirar a areia do corpo depois de brincadeiras com os parentes na praia e não viu placas de sinalização informando do perigo. "Eu mergulhei e já estava saindo, a água na cintura, quando senti um golpe na perna", contou, sobre o ataque do tubarão. O animal o mordeu na perna e ele tentou se defender, golpeando-o com a mão direita, que acabou sendo mordida, assim como a esquerda. Wagner disse que quando foi retirado da água, o tubarão já o havia largado. Sua única queixa foi em relação ao salva-dias, que depois lhe disse que havia sido imprudente por ter ultrapassado os arrecifes. "Por que você não me avisou?", perguntou. Wagner estava hospedado na casa de parentes na praia de Candeias, no município vizinho de Jaboatão dos Guararapes, onde não havia tomado banho de mar porque, segundo ele, o mar é aberto e há muitas placas indicativas. Paulista de Diadema, ele estava de férias com tios, com quem iria voltar para São Paulo na madrugada de amanhã. Monitoramento - O coordenador do Comitê Estadual de Monitoramento de Incidente com Tubarões (Cemit), Fábio Hazin, disse que Wagner foi provavelmente atacado por um tubarão tigre de 1,5 metro de comprimento. Em dois meses de expedições pela orla, num trabalho de pesquisa que envolve a Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), foram capturados, segundo ele, oito tubarões tigre com essas dimensões, o que demonstra, ao seu ver, uma incidência desse tipo de animal em águas rasas. "É preciso continuar o trabalho de pesquisa para identificar as causas desse comportamento, e intensificar a fiscalização na praia", afirmou ele. Neste ano ocorreram seis ataques de tubarão, com duas mortes. Desde 1992, foram 45 ataques, com 16 mortes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.