Tuma quer reconstituir violação de painel

O corregedor-geral do Senado, Romeu Tuma (PFL-SP) quer reconstituir todo o processo que levou a violação do painel de votação do Senado, desde 27 de junho de 2000 até o dia 30. Segundo ele, a reconstituição é fundamental para a apuração exata dos fatos. Tuma pretende também encaminhar sugestão para abrir processo criminal contra a empresa Eliseu Kopp, do Rio Grande do Sul, fornecedora do painel de votações com os respectivos programas de computador.Segundo ele, a empresa "vendeu gato por lebre; tem de ser punida". Seguindo a mesma orientação do primeiro secretário, Carlos Wilson (PPS-PE), Tuma defendeu o fim do voto secreto via painel eletrônico. Na sua opinião, o ideal seria a utilização do sistema de cédulas, ou de bolas coloridas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.