Tuma quer reconstituir crime no Senado

O corregedor do Senado, Romeu Tuma (PFL-SP), disse nesta quinta-feiraque, mais do que um depoimento, as declarações da ex-diretora do Prodasen Regina Célia Borges, que violou o sigilo do painel eletrônicos de votações do plenário da Casa, são "uma confissão". Ela disse que, no seu entender, uma confissão precisa ser tratada de maneira diferente. Segundo Tuma, será necessário colher pelo menos provas circunstanciais e, para isso, deverá ser feita uma acareação entre Regina Borges e Domingos Lamoglia , um assessor de Arruda a quem teria sido entregue a lista de votos dos senadores nasessão de cassação do mandato de senador de Luiz Estevão. Tuma considera que será necessária também a reconstituição de todos os passos dados por ela e pelo senador Arruda na véspera da sessão de cassação do mandato de Estevão. Tuma anunciou que na próxima segunda-feira, às 16 horas, deverá ouvir na Corregedoria o depoimento de Lamoglia. Também na segunda-feira e na terça, deverão ser ouvidos os depoimentos do marido de Regina, Ivar Ferreira, do funcionário do Prodasen Emiglio Gomes da Nóbrega e do ex-chefe de gabinete do ex-senador Luiz Estevão Nilson Rebelo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.