Tuma Júnior agiu para liberar contrabando, diz PF

Relatório de inteligência da Polícia Federal coloca o secretário nacional de Justiça, Romeu Tuma Júnior, como suspeito de ter usado o prestígio do cargo para liberar mercadorias apreendidas de um chinês investigado por contrabando e evasão de divisas.

AE, Agência Estado

07 Maio 2010 | 07h46

A suspeita é baseada numa sequência de telefonemas em que Tuma Júnior e seu braço direito no Ministério da Justiça, o policial Paulo Guilherme Mello, o Guga, tratam de assuntos de interesse do chinês Fang Ze, apontado nas investigações como integrante da rede de negócios de Li Kwok Kwen, ou Paulo Li, o homem que a PF diz ser um dos chefes da máfia chinesa em São Paulo.

O relatório de inteligência aponta "possível comprometimento de Romeu Tuma Júnior com Fang Ze". E diz que o secretário se vale do assessor Mello "para resolver eventuais problemas que lhe possam incriminar". A PF sustenta que, a mando de Tuma Júnior, Mello fez contato com o Fisco de São Paulo para liberar mercadorias de Fang Ze. As conversas sobre o assunto foram interceptadas com autorização da Justiça.

Num dos diálogos, em 2 de julho do ano passado, Mello telefona para um servidor de nome Ricardo e cobra uma solução para o caso: "Eu tô aqui com o chefe, ele tá me cobrando aquele... aquela posição daquele negócio lá, rapaz, do... que eu te pedi lá com o inspetor lá". "Qual? Do japonês lá não sei o quê?", pergunta o funcionário.

Mello chega a citar o secretário nacional de Justiça como interessado na liberação das mercadorias. "Você me ligou, me apresentou pro cara lá, ainda cê falou que era pedido do Tuma, aí o chefe tá me atazanando a vida aqui", diz o assessor do secretário, que relata o problema: "De fato eles suspenderam e tudo, mas não devolveram o material do cara". Ricardo promete cuidar do assunto. "Vou dar uma olhada, então."

O funcionário é Ricardo de Mello Vargas, delegado de Polícia Civil lotado na Divisão de Crimes Contra a Fazenda. Indagado sobre os diálogos, ele confirmou ter recebido o pedido, mas negou ter solucionado, como queriam Tuma e o assessor. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.