Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

'Tudo precisa ser avaliado com muito cuidado', diz Dodge sobre acordo de delação de Palocci

Procuradora-geral da República, Raquel Dodge, lembra que negociação não foi feita na "jurisdição de Brasília” e vai analisar se o documento pode ser aceito

Andrei Netto, correspondente, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2018 | 13h26

PARIS - O acordo de delação premiada firmado entre o ex-ministro Antonio Palocci e a Polícia Federal na quinta-feira, 26, ainda pode vir a ser contestado pela Procuradoria-Geral da República. A informação foi dada nessa sexta-feira, 27, em Paris, pela procuradora-geral, Raquel Dodge, que afirmou “desconhecer" os termos e a “extensão das cláusulas” do entendimento entre as duas partes.

++ Palocci revela ‘pacto de sangue’ de propina de R$ 300 mi e entrega Lula

++ Delação de Palocci na PF provoca incertezas, dizem advogados

Segundo Raquel Dodge, as negociações não foram realizadas na "jurisdição de Brasília", o que obrigará a PGR a estudar em detalhes o acordo para decidir o que fará a respeito. "Não conheço o caso, não foi feito na jurisdição de Brasília e oportunamente o meu gabinete, ou a instância cabível, certamente examinará esse documento. Aí a manifestação será feita oportunamente”, garantiu. 

"Eu não posso adiantar nenhum ponto de vista exatamente porque não examinei que documento é esse, como foi feito, qual a extensão das cláusulas. Tudo precisa ser avaliado com muito cuidado”, reiterou Raquel Dodge.

Palocci era homem de confiança do PT e dos governos de Luiz Inácio Lula da Silva e de Dilma Rousseff, entre 2003 e 2016. Na quinta-feira, o jornal O Globo revelou que o acordo entre o ex-ministro e a PF havia sido assinado. Uma primeira negociação já havia acontecido entre sua defesa e o Ministério Público, sem que se chegasse a um acordo. Palocci está preso de forma preventiva desde setembro de 2016, em Curitiba, e condenado a 12 anos de prisão por lavagem de dinheiro e corrupção ativa na negociação dos contratos com a Odebrecht para aquisição de sondas do Estaleiro Enseada do Paraguaçu e da Sete Brasil.

Durante o processo, Palocci afirmou ao juiz Sérgio Moro que o ex-presidente Lula, quando estava no cargo, deu seu aval a um “pacto de sangue” com a construtora Odebrecht, que envolveria o pagamento de R$ 300 milhões ao PT em propinas pelos contratos assinados.

PGR e a Polícia Federal têm diferenças sobre a que órgão cabe assinar acordos de delação premiada, e em casos anteriores a decisão coube ao Supremo Tribunal Federal (STF). Para entrar em vigor, o acordo PF-Palocci também precisará de homologação da Justiça.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.