Divulgação
Divulgação

Aécio e Alckmin se manifestam contra a recriação da CPMF

Em ato político de filiação do governador do Mato Grosso, Pedro Taques, Aécio Neves disse que o PSDB não apoiará proposta que 'puna os contribuintes'

Pedro Venceslau, O Estado de S. Paulo

29 de agosto de 2015 | 13h22

CUIABÁ - Os principais quadros do PSDB nacional se manifestaram neste sábado, 29, em Cuiabá (MT), contra a recriação da CPMF durante o ato político de filiação do governador Pedro Taques, que deixou o PDT.

"Somos contra o aumento de impostos desse ajuste rudimentar do governo, Nós, do PSDB, não apoiaremos nenhuma proposta que puna os contribuintes", disse Aécio.

O governador Geraldo Alckmin também se disse contra a medida. "Cabe ao governo federal buscar soluções para o subfinanciamento da saúde, mas não será com a criação de impostos", afirmou.

Já o governador de Goiás, Marconi Perillo, foi mais cuidadoso. "Vamos esperar para ver a proposta formal do governo".

Em uma tentativa de demonstrar unidade entre  os tucanos, o senador Aécio Neves (MG), que estava sentado ao lado do governador Geraldo Alckmin (SP), negou que existam divergências internas sobre a estratégia do partido diante da crise política que desgasta a presidente Dilma Rousseff.

“Vejo essa divergência apenas nos jornais. Não cabe ao PSDB prever cenários”, disse o senador mineiro ao se referir sobre a porposta de parte de oposição que defende o impeachment da presidente Dilma Rousseff.

O governador paulista, por sua vez, lembrou que votou pelo impeachment de Fernando Collor e esclareceu que não tem nada contra essa possibilidade, mas ressaltou. “É preciso ter base jurídica e cumprir a Constituição”.

Além dos cinco governadores tucanos, estavam presentes o senador José Serra, a senadora Ana Amélia (PP-RS) e deputados tucanos de vários estados.Os tucanos foram recebidos com um ato político que reuniu cerca de 400 pessoas em um hotel fazenda de Cuiabá. Em seguida, foram almoçar em um restaurante tradicional da cidade.

O governador de Mato Grosso, Pedro Taques, apresentou no dia 10 de agosto o seu pedido de desfiliação do Partido Democrático Trabalhista (PDT), sigla pela qual se elegeu senador em 2010 e governador em 2014.

Ex-procurador da República, Pedro Taques obteve 708.440 votos na candidatura ao Senado, em 2010. Em 2014, ao disputar o governo de Mato Grosso, ele obteve outros 833.788 votos (57,25% dos votos válidos).

Antes do ato político, o senador Aécio Neves disse que o arquivamento da investigação contra o senador Antonio Anastasia (MG) no âmbito da Lava Jato "corrigiu um equívoco" e foi um "gesto de justiça".

Tudo o que sabemos sobre:
economiaPSDBAécio NevesCPMF

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.