Tucanos restringem opções e vice sai dia 30

Escolha já convergiu para apenas uma opção do DEM e outra do próprio PSDB, ambas nordestinas

Christiane Samarco / BRASÍLIA - O Estado de S.Paulo

23 de junho de 2010 | 00h02

O PSDB só vai anunciar no dia 30 o nome do vice na chapa presidencial do tucano José Serra, mas a escolha já convergiu para apenas uma opção do DEM e outra do próprio PSDB, ambas nordestinas. No partido aliado, o nome mais cotado - mais forte até do que a alternativa tucana - é o deputado José Carlos Aleluia (BA). Se ao final a decisão for pela chapa puro-sangue, o escolhido será o presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE).

 

Como Serra avocou para si a decisão final, a força política de Aleluia começa pela simpatia e a admiração públicas do titular da chapa por ele. Mas não para aí. Há também um sinal externo que aponta para Aleluia. Convidado para participar de um encontro internacional em Madri no dia 8 de julho, patrocinado pela Fundação de Análise dos Estudos Sociais (FAS), ligada ao Partido Popular espanhol, Serra acenou com a possibilidade de enviar seu vice para representá-lo. Detalhe: A instituição brasileira ligada à FAS é a Fundação Liberdade e Cidadania, do DEM, presidida por Aleluia.

 

Também pesa a seu favor o fato de tanto a cúpula baiana como a direção nacional do DEM já terem fechado em torno de seu nome. Ele tem o aval do deputado ACM Neto, do presidente nacional do DEM, deputado Rodrigo Maia, e de seu antecessor Jorge Bornhausen.

 

Pesa em favor de Aleluia o fato de ele não ter arestas com o braço direito do candidato a presidente na campanha eleitoral: o deputado Jutahy Júnior (BA). Adversário histórico do PFL do senador Antonio Carlos Magalhães (BA), morto em julho de 2007, Jutahy tem diálogo fácil com Aleluia. Talvez até, por saber que, se estivesse vivo, o último nome que ACM escolheria na bancada baiana para compor chapa com Serra seria precisamente este.

Não sendo o baiano, a escolha deverá recair sobre Sérgio Guerra. Habilidoso articulador, Guerra ganhou a confiança de Serra e o comando nacional da campanha. Por isto mesmo, o candidato gostaria de tê-lo mais próximo, com dedicação em tempo integral. Como as exigências da batalha nacional são incompatíveis com a campanha paralela no Estado, a vice pode ser uma solução que atenda a ambos.

Tudo o que sabemos sobre:
joséserraPSDBeleições2010

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.