Tucanos pedem à CCJ que convoque Okamoto a depor

O presidente do PSDB, Tasso Jereissati, e o líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), pediram à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) que convide para depor o presidente do Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Paulo Okamoto, para que ele esclareça contradições entre o que disse à CPI dos Bingos e as declarações do presidente Lula. No requerimento, os tucanos lembram que na CPI, "sob juramento", Okamoto admitiu ter pago dívida de R$ 29,4 mil que Lula tinha com o PT sem o conhecimento dele. O dinheiro, conforme alegou, saiu de seu bolso.Já o presidente Lula, na entrevista que concedeu ao Jornal Nacional, no último dia 10, deixou claro que sabia da dívida. Indagado por que deixou Okamoto pagá-la, respondeu: "Primeiro, porque ele admitiu que cometeu um erro em não ter descontado o valor da minha indenização quando eu me afastei do PT. Segundo, eu não devo ao PT, portanto, não deveria pagar, porque não devo ao PT".No entender dos senadores, Lula desmentiu o amigo Okamoto. Eles lembram que um funcionário do governo, sob juramento numa CPI, não pode cometer crime de perjúrio. Há cerca de um mês, o PFL e o PPS deram entrada a uma representação no Ministério Público pedindo que seja investigada o por que da contradição nas afirmações de Lula e de Okamoto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.